Chamusca, the heart of Ribatejo

Chamusca lies along the south bank of the Tejo, in the heart of the highly agricultural Ribatejo. The City Hall harnessed this geographical claim as a promotion tool for the tourism in the region. “Chamusca, the Heart of Ribatejo” is the new message that they’re sending out to the rest of the country, basing the campaign on the town’s rich gastronomy, fervent cultural life and strong traditions. The mayor himself is a sketcher, so the City Hall invited the urban sketchers to visit Chamusca and have a go at their sights and colors.

A Chamusca fica na margem sul do Tejo, no coração do Ribatejo agrícola. A Câmara Municipal tomou para si esta assinatura geográfica como uma ferramenta de promoção ao turismo na região. “Chamusca, o Coração do Ribatejo” é a nova mensagem que pretendem enviar ao resto do país, baseando a campanha na riqueza da gastronomia, na cultura fervilhante e na força das tradições. Sendo o próprio Presidente da Câmara um desenhador, a Câmara Municipal convidou os urban sketchers a visitar a Chamusca para retratar as suas vistas e as suas cores.

161001-chamusca-01

From high up on the hill where the small Nossa Senhora do Pranto chapel sits, the Tejo wetlands and the town sitting on the foothill were ready to be sketched. Seemed like an ordinary wetlands town from there, but what was extraordinary was the very fact that we could gaze at all of it from above. Chamusca sits at the end of the Tejo valley and at the beginning of the wetlands which only stop at the Mar da Palha, and that gives the town an unique vantage point. The climb up wasn’t hard. The Town Hall bus brought us up. Our legs and appetite brought us down. Town Hall had prepared a veritable banquet in a local restaurant. We tasted all the different foods of the region, sided with a fado singer and guitar players.

Do topo da colina onde fica a pequena capela da Nossa Senhora do Pranto, o Tejo e a vila no sopé dos montes posavam para os desenhos. Tudo parecia indicar que esta era uma vila agrícola como tantas outras da lezíria , mas o que era extraordinário era o facto de a podermos observar assim do topo, com a vastidão da lezíria defronte. A Chamusca fica no fim do vale do Tejo e no início da vasta lezíria que termina no Mar da Palha, e isso faz com que seja um lugar único, onde as colinas do vale ainda permitem ver a vastidão fértil do Tejo. A subida não foi difícil. O autocarro da Câmara tratou disso por nós. As nossas pernas e o nosso apetite trouxeram-nos de volta à vila. A Câmara preparou um verdadeiro banquete num restaurante local. Provámos as diferentes iguarias regionais, guarnecidas com fadista e guitarristas.

161001-chamusca-02

Well nourished, it was time to spend a semi-lazy sunny afternoon sketching the historical center of Chamusca. The town is peppered with buildings related to agriculture, usually cooperatives and early to mid-20th century state institutes, bound at the time on controlling and taxing both the farming population and the agricultural elites of old.

Bem nutridos, estava na altura de passar uma tarde solarenga meio preguiçosa no centro histórico da Chamusca. A vila está polvilhada de edifícios relacionados com agricultura, cooperativas e edifícios de serviços do estado da primeira metade do séc. XX, lançados na tarefa de controlar e taxar tanto a população agrícola como as elites agrícolas da altura.

161001-chamusca-03

Besides the great feast and the tour up the hill, another great gift the Town Hall had for us was a set of high quality paper folded sketchbook, all of them locally handmade by artisans Linha28. I got from it the best reaction from my Rembrandt watercolors that I’d seen in a long time! And it gave me a chance to wrap up one sketch meeting in one sketchbook. OCD victory!

Para além do lauto banquete e da viagem à capela, uma outra oferta da Câmara foi um conjunto de cadernos desdobráveis com papel de alta qualidade, fabricados à mão pelos artesãos locais Linha28. Dele tive a melhor reacção das minhas aguarelas Rembrandt que tinha visto há muito tempo! E deu-me a oportunidade de fechar um encontro num único caderno. Vitória do TOC!

Junto ao Cais das Colunas no Terreiro do Paço

160927-terreiro-do-paco

The Cais das Colunas lies in the edge of the Terreiro do Paço, a platform protruding into the Tejo estuary. The columns that name it have been coming and going, and it seems that they were on their day off at the time Roque Gameiro stopped by to visit. It has been a place for fishermen to unload their catch, for statespeople to be welcomed into the city and captive emperors to be paraded. Now, hosts of tourists go there in the low tides to lay in the tiny beach, wet their feet in the river across the slippery steps and to take that missing selfie.

(to be continued)

O Cais das Colunas fica na extremidade do Terreiro do Paço, uma plataforma protuberante sobre o estuário do Tejo. As colunas que lhe dão o nome vão e vêm ao longo das décadas, e parece que estavam de folga na altura em que Roque Gameiro lá passou para as desenhar. Tem sido um local onde os pescadores descarregam o peixe, onde estadistas são recebidos na cidade e onde imperadores em cativeiro são exibidos à populaça. Hoje em dia, tropas de turistas vão lá na maré baixa para se deitarem no pequeno areal, molhar os pés no rio sobre os degraus escorregadios e para tirar a selfie que faltava. 

(continua)

Junto ao Cais das Colunas no Terreiro do Paço by / por Roque Gameiro
Junto ao Cais das Colunas no Terreiro do Paço by / por Roque Gameiro

Lisbonne, la visiter c’est l’adopter part #2

Terraços do Carmo, Carmo, Santa Justa, Lisboa, Portugal

After lunch, we rendezvoused under the triumphal arch at Rua Augusta with another group of sketchers that had attended Eduardo Salavisa‘s workshop in Casa-Museu Vieira da Silva, and also had a guest from abroad – Nathalia from Brazil. With renewed numbers and energy, the sardine-smelling group and the workshop group banded together, we sallied forth to explore the recently opened Terraços do Carmo (Carmo terraces), a set of public platforms on the foots of the Carmo convent ruins, shaded by the setting sun, with a view over the northern part of the historical center.

Depois do almoço, juntámo-nos, debaixo do arco do triunfo da Rua Augusta, com um segundo grupo de desenhadores que tinham estado na oficina do Eduardo Salavisa na Casa-Museu Vieira da Silva, e que também tinham uma convidada do estrangeiro – a Nathalia do Brasil. Com renovados efectivos e energia, o grupo do cheiro a sardinha e o grupo da oficina juntaram-se e lançaram-se em excursão para explorar os recém-inaugurados Terraços do Carmo, um espaço público em plataformas no sopé das ruínas do Carmo, sombreadas, com vista sobre a parte norte do centro histórico.

Terraços do Carmo, Carmo, Lisboa, Portugal

There we got comfortable, mingled and sketched until it was time to call it off.

Lá, pusemo-nos confortáveis, convivemos e desenhámos, até chegar a hora de terminar.

Terraços do Carmo, Carmo, Lisboa, Portugal

Despite the fact that most of us had been strolling and sketching from 10am, there was still the will to keep at it! So a few survivors went downhill all the way to another recently renovated area – the Ribeira das Naus – that was, up until last year, nameless and inhospitable, but is now a bustling promenade by the river, between Terreiro do Paço and Cais do Sodré, where city dwellers and tourists alike flock to enjoy the sound of the waves and the cooling effect of the water. By 8pm, we reluctantly disbanded. It had been a good day and, hopefully, a beautiful way of bidding farewell to Evelyn and Alejandra and also welcoming Nathalia.

Apesar de a maior parte do grupo estar a caminhar e a desenhar desde as 10 da manhã, ainda havia malta com vontade de continuar! Assim, alguns sobreviventes desceram a colina até outra área recentemente renovada – a Ribeira das Naus – que era, até há pouco tempo, sem nome e pouco hospitaleira, mas é agora um passeio agradável à beira-rio, entre o Terreiro do Paço e o Cais do Sodré, onde nativos e turistas vão para disfrutar do marulhar e da frescura da água. Pelas 8 da tarde, separámo-nos relutantemente. Foi um bom dia, e com sorte, terá sido uma forma bonita de dar as despedidas à Evelyn e à Alejandra, e também de dar as boas vindas à Nathalia.

Ribeira das naus, Lisboa, Portugal