#OneWeek100Hands2018

#oneweek100people2018

It’s that time of the year again!

Urban sketchers Marc Taro Holmes, from Montreal, and Liz Steel, from Sydney, challenge the world to take on the #OneWeek100People2018 initiative. The idea is clear: sketch one hundred people in a week’s time, starting on March 5th. Read all about it in Marc, or Liz’s blogs.

Remember the Japanese folding sketchbook from last year? I filled one side of it with a crowd! I’m planning to finally fill the blank side, and I’m keeping my promise to Carla Silveira and Celeste Vaz Ferreira, who, one year ago, suggested on instagram that I should do one hundred hands next. Thanks for the idea girls! Hands are actually something I need and wanted to practice on for some time now, so here’s to Marc, Liz, Carla, Celeste and #OneWeek100Hands2018!

É aquela altura do ano outra vez!

Os urban sketchers Marc Taro Holmes, de Montreal, e Liz Steel, de Sydney, desafiaram o mundo a tomar a iniciativa #OneWeek100People2018. A ideia é clara: desenhar uma centena de pessoas durante uma semana, já a valer a partir de 5 de Março. Leiam mais aqui nos blogs do Marc e da Liz.

Lembram-se do caderno em fole do ano passado? Enchi um dos lados com uma multidão! Estou a planear encher o lado vazio, e vou cumprir a promessa que fiz à Carla Silveiro e à Celeste Vaz Ferreira, que, há um ano, sugeriram no instagram que eu deveria fazer cem mãos na próxima. Obrigado pela ideia, miúdas! Mãos são mesmo algo que preciso e tenho vontade de praticar há algum tempo, portanto, aqui vai disto Marc, Liz, Carla, Celeste e #OneWeek100Hands2018!

#OneWeek100People2017

oneweek100ppl

Last week, Liz Steel and Marc Taro Holmes challenged sketchers worldwide to spend a workweek sketching one hundred people. Sketching people is definitely my thing. Whenever I venture out of it, I feel outside my comfort area. Lately I’ve been focusing mostly on urbanscapes, for work or work practice purposes, so the prospect of hunting down figures, faces and silhouettes for five days felt like holidays.

Na semana passada. a Liz Steel e o Marc Taro Holmes desafiaram os desenhadores do mundo a passar uma semana de cinco dias a desenhar 100 pessoas. Desenhar pessoas é a minha cena. Quando me aventuro par fora, sinto-me sempre fora da minha zona de conforto. Ultimamente, tenho insistido bastante com paisagens urbanas, por questões de trabalho e de prática, de maneira que a expectativa de caçar figuras, caras e silhuetas durante cinco dias sabia a férias.

oneweeksomeppl

I like the idea of using a single sketchbook for a single project. It’s, of course a delusion to keep such neatness ambitions amidst the chaos of several projects, but this one seemed suited. So, completing the challenge in a single sketchbook and complete the sketchbook was a challenge in its own right. Moleskine’s japanese folding sketchbook came to mind as the ideal companion for the challenge. It’s brief, pocket-size, and easy to showcase the harvest in a single glance. It even allows for writing in the cover with a white Posca pen, for that cool wrap-up look.

Gosto da ideia de usar um único caderno para um único projecto. É, claro, uma ilusão manter a ambição tal arrumação no caos de vários projectos, mas este parecia prestar-se a isso. Completar o desafio num único caderno e completar o caderno foi um desafio em si só. Ocorreu-me logo o álbum Japonês da Moleskine como o companheiro ideal para o desafio. É breve, cabe no bolso e é fácil de mostrar a colheita num único olhar. Até permite escrever com uma caneta Posca branca, para aquele ar de terminado.

Thousands of people took the challenge worldwide. Liz and Marc can be proud that they made the world sketch quickly and loosely for a single week. You can check my contribution to the challenge in my instagram account.

Milhares de pessoas no mundo aceitaram e cumpriram o desafio. A Liz e o Marc podem estar orgulhosos de terem feito o mundo desenhar rápida e descontraidamente durante pelo menos uma semana. Podem ver o meu contributo para o desafio na minha conta instagram.

An evening of lectures in Gaia

160918-tiago-cruz-calem

Tiago Cruz is a natural speaker and teacher. After a wine tasting session on the south bank of the Douro, the Urban Sketchers Portugal Norte sketch meeting proceeded inside the Porto wine cellar Calem for a couple of lectures, the first being Tiago’s “O Nós e os Cadernos: o diário em ‘Diário Gráfico“. The thought-provoking themes we were discussing earlier across the bridge, were now tossed to the public realm, stirring a debate on the private and public nature of the graphic journal, on the secret and exhibitionist aspects of our drawings and on the relationship between one’s graphic experiments and explorations and the publishing business.

O Tiago Cruz é um orador e professor em toda a medida. Depois de uma prova de vinhos à beira do Douro, em Gaia, o encontro de desenhadores dos Urban Sketchers Portugal Norte seguiram para dentro das caves Calem para um par de palestras, sendo a primeira “O Nós e os Cadernos: o diário em ‘Diário Gráfico” do Tiago. Os temas que discutiamos poucas horas antes na margem oposta do Douro, eram agora lançados ao público, provocando um debate sobre a natureza privada e pública do diário gráfico, sobre os aspectos secretos e exibicionistas dos nossos desenhos, e a relação entre as nossas próprias experiências gráficas e o negócio da edição.

160918-jp-delgado-calem

Next up, architect João Paulo Delgado told us the history of the city of Porto, a commercial crossroads hailing from the Celtic Iberian Peninsula, all the way through the Roman occupation and the Middle Ages, up until the notorious Ponte das Barcas catastrophe during the French Invasions and to the present. The Latin name of the city is the root of the very name of the country. Portus = port, and Callis = road. A fitting name for a city and a nation of traders.

A seguir, o arquitecto João Paulo Delgado contou-nos a história da cidade do Porto, um cruzamento de rotas comerciais a funcionar desde a Península Ibérica Céltica, passando pela ocupação Romana e a Idade Média, até ao célebre desastre da Ponte das Barcas durante as Invasões Francesas e ao nosso tempo. O nome latino da cidade é a raíz do próprio nome do país. Portus = porto e Callis = estrada. Um nome adequado para uma cidade e uma nação de comerciantes.

Lisbonne, la visiter c’est l’adopter part #2

Terraços do Carmo, Carmo, Santa Justa, Lisboa, Portugal

After lunch, we rendezvoused under the triumphal arch at Rua Augusta with another group of sketchers that had attended Eduardo Salavisa‘s workshop in Casa-Museu Vieira da Silva, and also had a guest from abroad – Nathalia from Brazil. With renewed numbers and energy, the sardine-smelling group and the workshop group banded together, we sallied forth to explore the recently opened Terraços do Carmo (Carmo terraces), a set of public platforms on the foots of the Carmo convent ruins, shaded by the setting sun, with a view over the northern part of the historical center.

Depois do almoço, juntámo-nos, debaixo do arco do triunfo da Rua Augusta, com um segundo grupo de desenhadores que tinham estado na oficina do Eduardo Salavisa na Casa-Museu Vieira da Silva, e que também tinham uma convidada do estrangeiro – a Nathalia do Brasil. Com renovados efectivos e energia, o grupo do cheiro a sardinha e o grupo da oficina juntaram-se e lançaram-se em excursão para explorar os recém-inaugurados Terraços do Carmo, um espaço público em plataformas no sopé das ruínas do Carmo, sombreadas, com vista sobre a parte norte do centro histórico.

Terraços do Carmo, Carmo, Lisboa, Portugal

There we got comfortable, mingled and sketched until it was time to call it off.

Lá, pusemo-nos confortáveis, convivemos e desenhámos, até chegar a hora de terminar.

Terraços do Carmo, Carmo, Lisboa, Portugal

Despite the fact that most of us had been strolling and sketching from 10am, there was still the will to keep at it! So a few survivors went downhill all the way to another recently renovated area – the Ribeira das Naus – that was, up until last year, nameless and inhospitable, but is now a bustling promenade by the river, between Terreiro do Paço and Cais do Sodré, where city dwellers and tourists alike flock to enjoy the sound of the waves and the cooling effect of the water. By 8pm, we reluctantly disbanded. It had been a good day and, hopefully, a beautiful way of bidding farewell to Evelyn and Alejandra and also welcoming Nathalia.

Apesar de a maior parte do grupo estar a caminhar e a desenhar desde as 10 da manhã, ainda havia malta com vontade de continuar! Assim, alguns sobreviventes desceram a colina até outra área recentemente renovada – a Ribeira das Naus – que era, até há pouco tempo, sem nome e pouco hospitaleira, mas é agora um passeio agradável à beira-rio, entre o Terreiro do Paço e o Cais do Sodré, onde nativos e turistas vão para disfrutar do marulhar e da frescura da água. Pelas 8 da tarde, separámo-nos relutantemente. Foi um bom dia, e com sorte, terá sido uma forma bonita de dar as despedidas à Evelyn e à Alejandra, e também de dar as boas vindas à Nathalia.

Ribeira das naus, Lisboa, Portugal