Oh the streets of Rome

A teacher once told me there are two cities in the world that an architect needs to visit in his lifetime: New York and Rome. I had visited neither by the time I became an architect. Only when I wasn’t an architect anymore, did I get the chance to visit both.

I’m pretty sure that what he meant for us to see – when in Rome – was the adaptation of the city to each period of its long existence. The layering of streets and squares, the opposition of public and private and all the grey areas in-between, and the adjustment of both spontaneous and planned urban design with its challenging geography. All notions that we dealt in, and constantly debated, while in architecture school.

Rome seems to be, if not the most evident, a very prominent example of these notions put in practice. The way the city transforms and renovates itself and lives up to its heritage is humbling. If not for the heaps of tourists, one could observe and consider how the inhabitants of a city go about living everyday life in such a background of history and memory. But, then again, everyday life is everyday life, heritage or not. Right?

Um professor disse-me que havia duas cidades no mundo que um arquitecto tem de visitar na sua vida: Nova Iorque e Roma. Ainda não tinha visitado nenhuma delas quando me tornei arquitecto. Só quando já não era arquitecto é que tive a oportunidade de visitar ambas.

Tenho quase a certeza de que o que ele queria que vissemos – quando em Roma – era a adaptação da cidade a cada período da sua longa existencia. A sobreposição de ruas e praças, a oposição de espaço público e privado e de todas as áreas cinzentas entre um e outro, e o ajuste do desenho urbano espontâneo e planeado com a topografia desafiante. Tudo noções com que lidávamos e debatiamos constantemente ao estudar arquitectura.

Roma parece ser, se não o mais evidente, um exemplo proeminente destas noções postas em prática. A forma como a cidade se transforma e se renova e vive ao nível do seu património é impressionante. Não fosse pelos magotes de turistas, poder-se-ia observar e considerar como os habitantes de uma cidade vivem o quotidiano com o pano de fundo de tal história e memória. Mas, ainda assim, o quotidiano é o quotidiano, património ou não. Não é?

Valentina and Guido

The perfect lodging is half a trip’s success. In Rome, we found a nice, comfortable apartment, for all five of us, in the Castro Pretorio, close to Termini Train Station.

All amenities aside, what won us over was the splendid book and magazine collection the apartment featured. All ranging from books on Russian orthodox art, to photojournalism magazines. There was something there for each of us. What captured my eye was a collection of erotic and psychedelic Italian comic books from the 70’s, and especially the character Valentina, penned by Guido Crepax. Valentina Rosselli is a photojournalist who was a minor character in the early Crepax stories, but rose to be his main creation. Her stories have that mix of artistic nihilism, psychedelic hallucinations and S&M eroticism that could only be found with Italian text in the speech bubbles. So notable is the character that even the apartment owner found a way to include some Valentina printed tiles in the toilet and shower.

The apartment also featured a gigantic terrace, overlooking the lively mix of immigrant communities in the streets below. Peruvian bars, Ethiopian restaurants and Philippine hairdressers made up a strange but warm urban texture. Every morning, traffic would yield the street to the daily flea market. At night, we planned the tours of the day after and explored the multitude of Italian wines, while enjoying the warm breeze of the terrace with some delicious home-made pasta.

O alojamento perfeito faz metade da viagem. Encontrámos em Roma um belo apartamento, confortável para nós os cinco, no Castro Pretorio, perto da Estação de Termini.

Confortos à parte, aquilo que nos conquistou for a esplêndida colecção de livros e revistas que o apartamento continha. Tudo desde livros sobre arte ortodoxa Russa a revistas de fotojornalismo. Havia algo para cada um de nós. O que me capturou for uma colectânea de banda desenhada erótica e psicadélica Italiana dos anos 70, e especialmente as histórias da personagem Valentina, desenhadas por Guido Crepax. Valentina Rosselli é uma fotojornalista que era uma personagem menor nas primeiras histórias de Crepax, mas que se tornou a sua maior criação. As suas histórias têm aquela combinação de niilismo artístico, alucinações psicadélicas e eroticismo sado-masoquista que só poderiam ser encontrados acompanhados com balões de fala em Italiano. É tão notória a personagem que até o proprietário do apartamento encontrou uma forma de incluir alguns azulejos com impressões da Valentina na casa de banho e duche.

Tinhamos também ao nosso dispor um terraço gigante, a mirar a combinação animada de comunidades imigrantes nas ruas abaixo. Bares peruanos, restaurantes Etíopes e cabeleireiros Filipinos geravam uma estranha mas agradável textura urbana. Todas as manhãs, o trânsito cedia à rua o espaço para uma feira da ladra. À noite, planeavamos os passeios do dia seguinte e exploravamos a multitude de vinhos Italianos, enquanto disfrutavamos da brisa quente do terraço, com uma bela massa caseira.