Urban Sketchers Journals teaser

A few weeks ago I spent a weekend accompanied by a filming crew of EVA, an all-female video content producer. Their latest project, the Urban Sketchers Journals, is a monthly webseries which features one urban sketcher per episode. I got the honor of being the fourth episode featured sketcher. Paula and Ana’s final product is under work and coming soon. Meanwhile, you can get a glimpse of their professionalism and dedication with this teaser on Youtube. *Subtitled in English*

Há algumas semanas atrás, passei um fim-de-semana acompanhado por uma equipa de filmagens da EVA, uma produtora de conteúdos visuais no feminino. O seu último projecto, Urban Sketchers Journals, é uma webseries mensal que protagoniza um desenhador por episódio. Tive a honra de ser o desenhador apresentado pelo quarto episódio. O produto final da Paula e da Ana ainda está em progresso e será lançado em breve. Entretanto, podemos apreciar o seu profissionalismo e dedicação com este teaser no Youtube.

Night Sketching in Óbidos

The Night Sketching workshop by the Pedros (Alves and Loureiro) returns to Portugal, after touring Barcelona and Riga. On May the 18th, we’ll get busy sketching and painting the medieval walled town of Óbidos.

This workshop is supported by Latitudes and sponsored by Posca pens. Each participant will get a free white Posca, ideal to sketch light sources over a watercolor wash.

Minimum attendance 8 participants – Maximum attendance 30 participants | Price per person: 30€ (25€ for USkP Association members) | Registrations until May 15th to: dklimpgen@gmail.com and/or pedro.mac.loureiro@gmail.com.

The Oeste Sketchers meeting in the morning after will be a pleasant incentive to stay overnight in the historical town.

Sketch by Pedro Alves / desenho de Pedro Alves

A oficina de desenho à noite dos Pedros (Alves e Loureiro) regressa a Portugal, depois de viajar por Barcelona e Riga. A 18 de Maio, iremos desenhar e pintar a vila medieval muralhada de Óbidos.

Esta oficina é apoiada pelo Latitudes e patrocinada pelas canetas Posca. Cada participante irá receber uma Posca branca, ideal para desenhar fontes de luz sobre uma aguarela terminada.

Mínimo 8 participantes – Máximo 30 participantes | Preço por pessoa: 30€  (Associados USkP: 25€) | Inscrições até 15 de Maio para mail: dklimpgen@gmail.com e/ou pedro.mac.loureiro@gmail.com

Como incentivo para pernoitar na vila histórica, os Oeste Sketchers organizaram um encontro de desenho na manhã seguinte.

Drawing Ground Zero

Last weekend, the iconic MAAT in Lisboa opened its doors to a group of sketchers, willing to see reality in a different way. In a workshop guided by Tomás Reis and I – Drawing Ground Zero – participants learned how to deconstruct their preconceptions on sketching, and pushed themselves to unify what they saw in a single-minded gesture, line by line.

Through demos and exercises on topographic drawing, the group produced drawings without edges, volumes instead of shapes, meshes of reality based on surfaces and textures alone.

 

The workshop was heavily based on João Louro‘s exhibition, Linguistic Ground Zero, featured in the museum, where the leveling of concepts and language were key to understanding the world from a different perspective.

Afterwards, all the participants got a free tour around the exhibitions of the museum. The reception we had at MAAT was outstanding, and we have to thank all the people there for having and supporting us, and to Patrícia Canastreiro for her excellent photo reportage!

No passado fim de semana, o iconico MAAT, em Lisboa, abriu as portas a um grupo de desenhadores prontos a ver a realidade de uma forma diferente. Numa oficina guiada pelo Tomás Reis e por mim – Drawing Ground Zero – os participantes aprenderam a desconstruir os seus preconceitos sobre desenho, e a levar adiante a ideia de unir tudo o que vêem num único gesto, linha a linha.

Através de demonstrações e exercícios sobre desenho topográfico, o grupo produziu desenhos sem arestas, com volumes em vez de formas, malhas da realidade baseadas apenas em superfícies e texturas.

A oficina for fortemente baseada na exposição do João Louro, Linguistic Ground Zero, em destaque no museu, em que a destruição de conceitos e linguagem era a chave para compreender o mundo de uma perspectiva diferente.

No final da oficina, os participantes tiveram direito a uma visita guiada gratuita às exposições patentes no museu. A recepção do MAAT foi fora de série, e temos de agradecer a todos os que nos apoiaram e ajudaram, e à Patrícia Canastreiro pela belíssima reportagem fotográfica!

Curso de urban sketching

Artist Carlos Marques is also the dynamic organizer behind the Academia de Pintura Parque das Nações. Since last year, Carlos has invited illustrators, artists and urban sketchers to lead short courses and workshops in his academy. I will have the honor of leading the urban sketching course in November 2018.

During four classes on four Saturday mornings (November 10th, 17th, 24th and December 1st), we’ll approach several topics, techniques and sketching exercises that characterize my way of observing and representing the world in sketchbooks.

The classes will deal in places and people sketching. We’ll travel through the most influential learning phases of my work, but we’ll also take a look at how comics, illustration, architecture and cinema shaped my sketching.

Beginner and intermediate sketchers are welcome. Also welcome are all sketching materials and media, with preference to watercolor sketchbooks, waterproof ink pens and a set of watercolors.

Registrations here.

O artista Carlos Marques é também o dinamizador da Academia de Pintura Parque das Nações. Desde o ano passado que o Carlos vem convidando desenhadores, artistas e urban sketchers para dar cursos breves no seu espaço. Tive a honra de ser o formador convidado para Novembro de 2018.

Ao longo de quatro aulas em quatro sábados de manhã (10, 17, 24 de Novembro e 1 de Dezembro), iremos abordar vários temas, práticas e exercícios de desenho que caracterizam a minha forma de observar e representar o mundo em diários gráficos.

As aulas irão tratar do desenho de ambientes e de pessoas. Iremos viajar pelas aprendizagens mais influentes no meu trabalho, bem como pela banda desenhada, ilustração, arquitectura e cinema.

São bem vindos desenhadores principiantes e intermédios. Também são bem vindos todos os materiais de desenho e todos os suportes, com preferência para o diário gráfico com um bom papel de aguarela, a caneta com tinta à prova de água e um conjunto de aguarelas.

Inscrições aqui.

 

Lisbon Tango Festival coverage

 

For the second year in a row, the Lisbon Tango Festival team invited Carlos Teixeira, Mónia Abreu, Luís Frasco and myself to sketch during the event.

When sketching dancing couples, you always find yourself shifting back and forth between pose and movement, precise detailing and loose brushing. Portraying tango dancers requires attention to their sharp halts in movement, the twirls of legs and bodies, the grips of the arms and hands and, to make it even more challenging, to particular emotions expressed in the couple’s faces.
The atmosphere of the Festival varies a lot, from the relaxed afternoon milongas, where the dancers take turns in getting to know each other’s styles and embraces, to the mesmerizing maestro’s shows on the timber stage of the ballroom in Voz do Operário. There’s always a different mood to sketch, and it shows in the results. Some were movement representations, other were faithful portraits, other still were color theory experiments with temperatures, contrasts and harmonies. In any case, tango dancers undoubtedly lend themselves to more sensuous and visceral sketches than other subjects.Pelo segundo ano consecutivo, a organização do Lisbon Tango Festival convidou os desenhadores Carlos Teixeira, Mónia Abreu, Luís Frasco e eu próprio, para desenhar durante o evento.Ao desenhar pares de dançarinos, estamos sempre a oscilar entre pose e movimento, detalhes precisos e pinceladas soltas. Retratar dançarinos de tango requer atenção aos seus sobressaltos de movimento, aos rodopios de pernas e corpos, aos apertos de braços e mãos, e como se não bastasse, a emoções particulares expressas nas faces dos pares.A atmosfera do Festival varia ao longo dos dias, da descontracção das milongas da tarde, onde os dançarinos revezam-se na pista a conhecerem-se nos estilos e abraços, aos hipnóticos espectáculos dos maestros no palco de madeira do salão da Voz do Operário. Há sempre um ambiente diferente para desenhar, e os resultados reflectem essa variação. Alguns são representações de movimento, outros são retratos fieis e minuciosos, outros ainda são experiências de teoria de cor com temperaturas, contrastes e harmonias. Em todo o caso, não há dúvida que os dançarinos de tango prestam-se a desenhos mais sensuais e viscerais que outros temas.