Too hot for Rossio

Sometimes it’s just too hot to sketch outside… but that doesn’t seem to stop us.

Às vezes, está demasiado calor para desenhar na rua… mas isso não nos impede de o fazer na mesma.

Rossio hasn’t got many shades. Despite that, when Pedro Alves and I run out of ideas for places to sketch on lunchtime, we just wander mindlessly to the main square of Lisboa’s downtown and cope with the scorching sun.

O Rossio não tem muita sombra. Apesar disso, quando eu e o Pedro Alves ficamos sem ideias de sítios para ir desenhar na hora de almoço, acabamos por ir dar à principal praça da baixa Lisboeta, aguentar com o sol escaldante.

Indigo clouds against a burnt yellow sunset

As if trumpeting the summer, a scorching near-40-degree south wind from the Sahara swept through the country during the weekend, catching both natives and tourists off-guard. Shades, water fountains and public air conditioned buildings became highly-valued prizes.

The flash thunderstorm came as a surprise to the people in the annual book fair in Parque Eduardo VII. For a few minutes, thick drops of water replaced the baking heat while dark indigo clouds set against a strangely burnt yellow sunset. It was as if the dire palette was the prelude of the soon-to-arrive catastrophic news.

The thunderstorm also hit the center region of the country, igniting a major forest fire in Pedrógão Grande that cut roads, isolated villages and claimed 62 lives. It’s the biggest natural disaster in decades and but one of a total of 156 active fires in Portugal. The government decreed a three-day national mourning while the effects of the tragedy are being quenched and its victims and their families are relieved.

Como que a anunciar o verão, um vento escaldante do Sahara de quase 40 graus varreu o país durante o fim-de-semana, apanhando desprevenidos nativos e turistas. Sombras, repuxos e edifícios públicos com ar condicionado tornaram-se bens preciosos.

A trovoada fulminante surpreendeu os visitantes da Feira do Livro no Parque Eduardo VII. Durante alguns minutos, gordas gotas de chuva substituiram o forno a céu aberto enquanto que nuvens escuras de tom indigo se situaram contra um pôr-do-sol de um amarelo estranhamente queimado. Era como se a paleta lúgubre fosse o prelúdio das notícias catastróficas que estavam para chegar.

A trovoada também atingiu o centro do país, acendendo um fogo florestal em Pedrógão Grande, que cortou estradas, isolou aldeias e ceifou 62 vidas. É o maior desastre natural em décadas e apenas um de 156 incêndios activos em Portugal. O governo declarou um luto de três dias enquanto se mitigam os efeitos da tragédia e se cuidam das vítimas e das suas famílias.

The Zambujal stories

161218-torres-vedras-01

The exhibition in Museu Leonel Trindade about the Castro do Zambujal, was the perfect excuse to visit the city of Torres Vedras, last December. It had been years since the last time I was there, and there’s a lot of talented sketchers and watercolorists in the region, worth getting to know. I couldn’t imagine a better way to spend a slow Saturday on the weekend before Christmas.

A exposição no Museu Leonel Trindade sobre o Castro do Zambujal foi a desculpa perfeita para finalmente visitar Torres Vedras, em Dezembro. Passaram-se anos deste a última vez que lá tinha estado, e há na região vários desenhadores e aguarelistas de grande talento que há muito queria conhecer e conviver. Não imagino maneira melhor de passar um pacato sábado no fim-de-semana antes do Natal.

161218-torres-vedras-04

The museum is based in the former Graça convent, and the exhibition within showed the progress in the archaeological excavations of the nearby Castro do Zambujal, of the Iberian Castro culture (not to be confused with the Caribbean Castro culture). Soon enough, the sun and warm weather had everyone getting outside. The cloister was warm, peaceful and quiet enough for about a dozen sketchers to be sitting around, silent and contemplative.

O museu localiza-se no Convento da Graça, e a exposição mostrava o progresso das escavações arqueológicas do Castro do Zambujal próximo, um sítio da Cultura Ibérica dos Castros (não confundir com a Cultura Caribenha de Castro). Pouco tempo passou até que todos os desenhadores viessem para o exterior, para o sol e o calor do princípio de tarde. O claustro estava quente, pacífico e calmo o suficiente para que uma dúzia de desenhadores estivessem espalhados pelo local, contemplativos e em silêncio.

161218-torres-vedras-05

By the end of the afternoon, when the sun started to set and the cold breeze threatened to blow, André Duarte Baptista called it a day and held the final “secret santa” sketch raffle. Everybody had been asked to do a sketch in an individual sheet. I had been sketching in the town’s streets beside Pedro Alves. The sketches were raffled and, whad’ya know: I got Pedro’s sketch! That’s pretty much like getting the first prize!

No fim de tarde, quando o sol se começava a por e a brisa fresca ameaçava soprar, o André Duarte Baptista deu por terminado o encontro e organizou o sorteio do “pai natal secreto”. Foi pedido a todos que fizessem um desenho numa folha individual. Eu tinha estado a desenhar nas ruas do centro da cidade ao lado do Pedro Alves. Os desenhos foram sorteados e, vá-se lá saber: ganhei o desenho do Pedro! É mais ou menos como levar o primeiro prémio para casa!

161218-pa-torres-vedras

The year of the rooster

170107-martim-moniz_1

As part of the 54th Worldwide Sketchcrawl, Portuguese Urban Sketchers met in the most international square in Lisboa to join and sketch the Chinese New Year celebrations. There is no formal Chinatown in Lisboa, as opposed to many other cities in the western world where the Sketchcrawl will take place. But the Martim Moniz square is doubtlessly where the Chinese community is most present in the country. What stops it from becoming a proper Chinatown is that many more immigrant communities share the square as a hub, and they all add to the cultural mosaic that Martim Moniz is today.

Como parte do 54º Sketchcrawl mundial, os Urban Sketchers portugueses encontraram-se na praça mais internacional de Lisboa para se juntarem e desenharem a celebração do ano novo Chinês. Não há uma Chinatown formalizada em Lisboa, ao contrário de muitas outras cidades no mundo ocidental onde o Sketchcrawl irá ter lugar. Mas o Martim Moniz é, sem dúvida, o lugar no país onde a comunidade Chinesa está mais presente. O que o impede de ser uma Chinatown é que muitas outras comunidades de imigrantes partilham a praça como um centro e todos se acrescentam ao mosaico cultural que o Martim Moniz é hoje.

170122-martim-moniz-01

The public celebrations were held a week before the actual New Year (which fell on the 28th of January) to allow some quiet family time for the Chinese community in the following weekend. In the central stage, several Chinese school classes came to showcase their dancing and musical talents. One of the girls in full costume and make-up – Yanchi – even gave me her autograph on the sketchbook, beside her portrait, while all around, a marketplace spread across half the square, selling arts and crafts and representing businesses and commerce chambers. Unfortunately, the parade had happened the day before.

As festividades públicas tiveram lugar uma semana antes do novo ano propriamente dito (que calhou a 28 de Janeiro) para deixar essa data para o convívio famimiar da comunidade Chinesa. No palco central, várias turmas de escolas Chinesas vieram mostrar os seus talentos musicais e de dança. Uma das pequenas dançarinas, ainda vestida e maquilhada a rigor – Yanchi – ainda me deu o seu autógrafo no caderno, ao lado do seu retrato, enquanto à volta espalhava-se um mercado sobre metade da praça, com venda de artesanato e peças tradicionais Chinesas e representações de negociantes e associações comerciais. Infelizmente, a parada do dragão já havia acontecido no dia anterior.

170122-martim-moniz-02

Happy year of the rooster for everyone!

Feliz ano do galo para todos!