Indigo clouds against a burnt yellow sunset

As if trumpeting the summer, a scorching near-40-degree south wind from the Sahara swept through the country during the weekend, catching both natives and tourists off-guard. Shades, water fountains and public air conditioned buildings became highly-valued prizes.

The flash thunderstorm came as a surprise to the people in the annual book fair in Parque Eduardo VII. For a few minutes, thick drops of water replaced the baking heat while dark indigo clouds set against a strangely burnt yellow sunset. It was as if the dire palette was the prelude of the soon-to-arrive catastrophic news.

The thunderstorm also hit the center region of the country, igniting a major forest fire in Pedrógão Grande that cut roads, isolated villages and claimed 62 lives. It’s the biggest natural disaster in decades and but one of a total of 156 active fires in Portugal. The government decreed a three-day national mourning while the effects of the tragedy are being quenched and its victims and their families are relieved.

Como que a anunciar o verão, um vento escaldante do Sahara de quase 40 graus varreu o país durante o fim-de-semana, apanhando desprevenidos nativos e turistas. Sombras, repuxos e edifícios públicos com ar condicionado tornaram-se bens preciosos.

A trovoada fulminante surpreendeu os visitantes da Feira do Livro no Parque Eduardo VII. Durante alguns minutos, gordas gotas de chuva substituiram o forno a céu aberto enquanto que nuvens escuras de tom indigo se situaram contra um pôr-do-sol de um amarelo estranhamente queimado. Era como se a paleta lúgubre fosse o prelúdio das notícias catastróficas que estavam para chegar.

A trovoada também atingiu o centro do país, acendendo um fogo florestal em Pedrógão Grande, que cortou estradas, isolou aldeias e ceifou 62 vidas. É o maior desastre natural em décadas e apenas um de 156 incêndios activos em Portugal. O governo declarou um luto de três dias enquanto se mitigam os efeitos da tragédia e se cuidam das vítimas e das suas famílias.

Solidarity sardines

170612-mouraria

During the festivities of the Santos Populares, the districts of the old town of Lisboa get swarmed by hundreds of thousands of people, relishing on cheesy music, beer, bifanas and the traditional sardinhadas (the act of grilling sardines) that announce Summer as swallows do Spring.

Durante a celebração dos Santos Populares, os bairros da Lisboa velha são invadidos por centenas de milhar de pessoas, deliciando-se com música da boa, cerveja, bifanas e a tradicional sardinhada que anuncia o Verão como as andorinhas a Primavera.

In the heart of Mouraria, the residents of one particular building held a solidarity sardinhada to raise awareness to their dramatic situation. All 16 families living there were given an eviction order by the newly anointed landlord, who wants to capitalize the building as an investment product. While the city hall is moving to improve local infrastructures, few policies seem to prevent the current residents of the old districts of Lisboa from being evicted with little chance of retaining their homes or procuring a reasonably priced alternative, and so, any improvements in the area benefit investors alone.

No coração da Mouraria, os habitantes de um edifício organizaram uma sardinhada solidária para chamar a atenção sobre a sua situação dramática. Foi dada ordem de despejo às 16 famílias que lá vivem, pelo novo proprietário, que quer capitalizar o edifício como um produto de investimento. A Câmara Municipal implementa melhorias na infraestrutura, mas poucas medidas parecem prevenir que os actuais habitantes dos bairros antigos de Lisboa sejam despejados com possibilidades mínimas de manter os seus lares ou encontrar alternativas a um preço razoável. E assim, quaisquer melhorias na área acabam por beneficiar apenas o investidor.

While these residents are more outspoken in their protest – the action attracted the attention of a french camera crew and a few local politicians – their struggle is by far not unique, as the same kind of takeover is happening all around the city, in old and new districts alike. The dramatic result is that housing prices for purchase and rental are skyrocketing all around, becoming inaccessible to the local populations, especially for those who, like the tenants of the Rua dos Lagares 25, have lived their whole lives in the old town of Lisboa.

Enquanto estes habitantes são mais activos no seu protesto – a acção atraiu a atenção de uma câmara francesa e alguns políticos locais – a sua luta não é, de longe, a única, já que o mesmo tipo de problema acontece um pouco por toda a cidade, nos bairros velhos bem como nos novos. O resultado dramático é que os preços de arrendamento ou venda se tornaram estratosféricos, tornando a habitação inacessível às populações locais, particularmente para aqueles que, como os inquilinos da Rua dos Lagares 25, viveram toda a sua vida na Lisboa velha.

Tango live sketching warmup

Sketching live dancers is probably one of the greatest challenges for someone who enjoys sketching people. There’s so much chaos involved, especially if you’re not familiar with the dance moves.

Desenhar dançarinos ao vivo é, provavelmente, um dos maiores desafios para alguém que gosta de desenhar pessoas. Há tanto caos no processo, especialmente se não estamos familiarizados com os passos de dança.

18987646_500569453610234_1143374035_o

Carlos – sketcher and tango-enthusiast – invited a few of us – Mónia, Luís and I – to attend the International Lisbon Tango Festival as live sketchers. To get the most tango neophytes possible, the Festival organized tango workshops on the week before, having instructors teach the very first steps of the Argentinian dance to participants. For us sketchers, these were welcome warm up sessions. In the bucolic scenery of the Palácio Pimenta, where the Museu da Cidade is housed, beginners clumsily and shyly shed their fears to the dancing floor, as the instructors told them about the significance and uniqueness of the embrace in tango.

Carlos – desenhador e entusiasta de tango – convidou alguns de nós – a Mónia, o Luís e eu – a assistir ao Festival Internacional de Tango de Lisboa para desenhar ao vivo. Para alcançar o máximo número de neófitos de tango possível, a organização ofereceu oficinas de tango na semana anterior ao festival, com instrutores ensinando os primeiros passos da dança Argentina aos participantes. Para nós, desenhadores, estas sessões foram um aquecimento muito bem vindo. No cenário bucólico do Palácio Pimenta, onde o Museu da Cidade está instalado, os principiantes, tosca e embaraçadamente, deixavam os seus medos cair no chão de dança, à medida que os instrutores lhes mostravam o significado único do abraço no tango.

18986650_500569456943567_735311626_o

Clumsily and shyly also describes how our sketching started. The scenery was overwhelming with detail, but the dancing should be the focus, so I struggled back and forth in detailing the natural back- and foreground. To describe the action and characters, I opted for silhouettes as it would help me explore the lighting of the scene, create the illusion of motion and also strip the dancers bare of casual clothing and visual characterization. This also allowed me to focus on body language and relationship in the dancing pairs – which is, after all, the main focus of tango.

Toscos e envergonhados também descreve bem a forma como começámos a desenhar. O cenário era arrebatador de detalhado, mas a dança deveria ser o ponto focal. Andei para trás e para a frente com os detalhes da natureza do primeiro plano e do fundo. Para descrever a acção e as personagens, optei por usar silhuetas. Isso iria ajudar-me a explorar a luz da cena, criar a ilusão de movimento e também despir os dançarinos da sua roupa do dia-a-dia e da sua caracterização. Também me permitiu focar o desenho na linguagem corporal e na relação entre os pares – que afinal, é o principal foco do tango.

18949074_500569460276900_100224139_o

These first three watercolors are exhibited in the antechamber of the main hall of Voz do Operário, together with Mónia’s, Carlos’ and Luís’ ones. During the Festival, more of them will join the showcase as we spend our next few evenings in the sweaty milongas of the dancing hall.

Estas três primeiras aguarelas estão em exposição na antecâmara  do grande salão da Voz do Operário, lado a lado com os desenhos da Mónia, do Luís e do Carlos. Durante o festival, mais aguarelas irão juntar-se à mostra, à medida que passarmos as nossas próximas noites nas milongas suadas do salão de dança.

18987478_500765326923980_1540517045_o

10×10 Lisbon: Public realm objects

02_usk-10classes-lisbon

The past Wednesday, I had my first class as instructor in the Urban Sketchers 10 Years x 10 Classes programme in Lisboa. All classes are focused on graphic reportage and storytelling, and we will be approaching subjects on three different scales. We’ll learn how to handle and tell little, medium and big stories about the places where we live.

Na passada quarta-feira, dei a minha primeira aula como instrutor no curso 10 Years x 10 Classes dos Urban Sketchers em Lisboa. Todas as aulas são focadas na reportagem gráfica e nas histórias desenhadas, e vamos abordar os assuntos em três escalas diferentes. Vamos aprender a contar histórias pequenas, médias e grandes, sobre os sítios onde vivemos.

In my little stories class, we focused on city objects that you don’t really notice they’re there, but can be very important to your safety, comfort or enjoyment – public realm objects. We learned how to harvest an interesting story out of the most mundane and unnoticed objects in our city. After all, is there a better way of becoming a good storyteller than to turn a dull subject into a fascinating report? We also practiced how to properly balance title, text and figure in the same sketch. Finally, we challenged each other as we pitched our story out loud to all of our colleagues.

Na minha aula de histórias pequenas, focámo-nos em objectos da cidade que não notamos que lá estão, mas que podem ser muito importantes paa a nossa segurança, conforto ou prazer – objectos do domínio público. Aprendemos a colher uma história interessante a partir dos mais mundanos objectos na nossa cidade. Afinal, há melhor maneira de nos tornarmos bons contadores de histórias que tornar um assunto aborrecido numa reportagem fascinante? Também praticámos o equilibrio entre texto, título e desenho nas mesmas páginas. Finalmente, desafiámo-nos uns aos outros ao contar, em viva voz, a nossa história aos nossos colegas.

170523-sao-domingos-01
In the first exercise, we sketched a city view, filtering out everything that wasn’t a public realm object. Here, critical reasoning was fundamental, as we could include or exclude objects based on our own opinion. After all, it’s our sketchbook, we cry if we want to. We wrapped it up by attributing a verb to each object.

No primeiro exercício, deenhámos uma vista urbana, filtrando tudo o que não era objecto do domínio público. Aqui, o nosso sentido crítico foi fundamental, porque incluimos ou excluimos objectos baseados nas nossas próprias opiniões. Afinal, o caderno é nosso, fazemos o que queremos nele. Terminámos a atribuir um verbo a cada objecto desenhado.

170523-sao-domingos-02

In the second challenge, we chose one of the objects, sketch it from several viewpoints when necessary, and take plenty of notes about it – facts only, or questions about facts that we’d like cleared. Then, in one minute, we pitched our sketch to everybody.

No segundo desafio, escolhemos um dos objectos, desenhámo-lo de vários pontos de vista, quando necessário, e tomamos apontamentos – apenas factos, ou interrogações sobre factos que gostariamos de ver esclarecidos. No final, tivemos um minuto para mostrar e contar o nosso desenho a todos.

170523-sao-domingos-03

Finally, we approached the story full-on, relating the object to the people around it, or the people that interact with it, or even the people that walk past it and simply ignore it. Sketching a bit of the context, if necessary, we told
the human story of the chosen object. We wrapped it up with a 30-second pitch, because Ginjinha was calling from across the square.

Finalmente, abordámos a história em pleno, relacionando o objecto com as pessoas em seu torno, ou as pessoas que interagiam com ele, ou mesmo as pessoas que ignoravam o objecto e simplesmente passavam por ele. Desenhando um pouco do contexto, se necessário, contámos a perspectiva humana do nosso objecto. Rematámos com uma exposição oral de 30 segundos, porque a Ginjinha chamava do outro lado do largo.

The return of the prodigal sun

170318-minde-01

After several weeks in preparation, the sketches done during the six-month challenge by Pedro Cabral to the Urban Sketchers Portugal has, at last, seen the daylight! Alfredo Roque Gameiro left Minde to work, sketch and paint in the streets of Lisboa in the early 20th century. Last saturday, nearly a hundred sketches, done by over fifty authors, revisiting the original hundred locations depicted by the notorious watercolorist settled in his native town to pay him homage.

Depois de várias semanas de preparação, os desenhos feitos durante o desafio de seis meses proposto pelo Pedro Cabral aos Urban Sketchers Portugal viu, finalmente a luz do dia! Alfredo Roque Gameiro deixou Minde para trabalhar, desenhar e pintar as ruas de Lisboa no princípio do século XX. No último sábado, perto de uma centena de desenhos, feitos por cerca de cinquenta autores, em revista aos cem locais originais desenhados pelo célebre aguarelista estabeleceram-se na sua terra natal em tributo.

170318-minde-02

There was no better place nor better crew to host this exhibition than the Museu de Aguarela Roque Gameiro and its people. The sketches can be seen until the 15th of Abril, when they’ll be regathered for a future exhibition that’s still on the drawing board. Also featured in the museum is the exhibition of original watercolors and illustrations by Alfredo Roque Gameiro himself. To top it off, the building itself, where the museum is based – Casa Açores, with its gardens and annexes – is well worth the visit, having been, in all probability, designed by master architect Raul Lino, as him and Alfredo were known to be good friends.

Não havia melhor sítio nem melhor gente para receber esta exposição que o Museu de Aguarela Roque Gameiro e as pessoas que o mantêm. Os desenhos podem ser vistos até 15 de Abril, altura em que serão reunidos para uma futura exposição que ainda está no estirador. No museu também se pode visitar uma exposição de originais de Alfredo Roque Gameiro, alguns deles, ilustrações feitas para uma edição d’As Pupilas do Senhor Reitor. Por cima de tudo, o próprio edifício onde se localiza o museu – a Casa Açores, com os seus jardins e anexos – vale bem a visita, tendo sido, em toda a probabilidade, projectada por Raul Lino, já que ele e Alfredo eram bons amigos.

170318-minde-03

The sketch meeting that opened the exhibition gathered about 20 sketchers in the museum grounds. Some even explored the weaving workshop where the beautiful local woolen blankets are made, and the town itself. In the late afternoon, the local Charales Chorus gifted us some fine gospel and other tunes for the road back home.

O encontro de desenho que inaugurou a exposição juntou cerca de 20 desenhadores no museu. Alguns até exploraram o atelier de tecelagem onde se fazem as belas mantas de lã de Minde, e a própria vila. Ao fim da tarde, o grupo local Charales Chorus ofereceu-nos um belo gospel e umas outras melodias para o caminho de volta a casa.

img_20170318_130149