10×10 Lisbon: Public realm objects

02_usk-10classes-lisbon

The past Wednesday, I had my first class as instructor in the Urban Sketchers 10 Years x 10 Classes programme in Lisboa. All classes are focused on graphic reportage and storytelling, and we will be approaching subjects on three different scales. We’ll learn how to handle and tell little, medium and big stories about the places where we live.

Na passada quarta-feira, dei a minha primeira aula como instrutor no curso 10 Years x 10 Classes dos Urban Sketchers em Lisboa. Todas as aulas são focadas na reportagem gráfica e nas histórias desenhadas, e vamos abordar os assuntos em três escalas diferentes. Vamos aprender a contar histórias pequenas, médias e grandes, sobre os sítios onde vivemos.

In my little stories class, we focused on city objects that you don’t really notice they’re there, but can be very important to your safety, comfort or enjoyment – public realm objects. We learned how to harvest an interesting story out of the most mundane and unnoticed objects in our city. After all, is there a better way of becoming a good storyteller than to turn a dull subject into a fascinating report? We also practiced how to properly balance title, text and figure in the same sketch. Finally, we challenged each other as we pitched our story out loud to all of our colleagues.

Na minha aula de histórias pequenas, focámo-nos em objectos da cidade que não notamos que lá estão, mas que podem ser muito importantes paa a nossa segurança, conforto ou prazer – objectos do domínio público. Aprendemos a colher uma história interessante a partir dos mais mundanos objectos na nossa cidade. Afinal, há melhor maneira de nos tornarmos bons contadores de histórias que tornar um assunto aborrecido numa reportagem fascinante? Também praticámos o equilibrio entre texto, título e desenho nas mesmas páginas. Finalmente, desafiámo-nos uns aos outros ao contar, em viva voz, a nossa história aos nossos colegas.

170523-sao-domingos-01
In the first exercise, we sketched a city view, filtering out everything that wasn’t a public realm object. Here, critical reasoning was fundamental, as we could include or exclude objects based on our own opinion. After all, it’s our sketchbook, we cry if we want to. We wrapped it up by attributing a verb to each object.

No primeiro exercício, deenhámos uma vista urbana, filtrando tudo o que não era objecto do domínio público. Aqui, o nosso sentido crítico foi fundamental, porque incluimos ou excluimos objectos baseados nas nossas próprias opiniões. Afinal, o caderno é nosso, fazemos o que queremos nele. Terminámos a atribuir um verbo a cada objecto desenhado.

170523-sao-domingos-02

In the second challenge, we chose one of the objects, sketch it from several viewpoints when necessary, and take plenty of notes about it – facts only, or questions about facts that we’d like cleared. Then, in one minute, we pitched our sketch to everybody.

No segundo desafio, escolhemos um dos objectos, desenhámo-lo de vários pontos de vista, quando necessário, e tomamos apontamentos – apenas factos, ou interrogações sobre factos que gostariamos de ver esclarecidos. No final, tivemos um minuto para mostrar e contar o nosso desenho a todos.

170523-sao-domingos-03

Finally, we approached the story full-on, relating the object to the people around it, or the people that interact with it, or even the people that walk past it and simply ignore it. Sketching a bit of the context, if necessary, we told
the human story of the chosen object. We wrapped it up with a 30-second pitch, because Ginjinha was calling from across the square.

Finalmente, abordámos a história em pleno, relacionando o objecto com as pessoas em seu torno, ou as pessoas que interagiam com ele, ou mesmo as pessoas que ignoravam o objecto e simplesmente passavam por ele. Desenhando um pouco do contexto, se necessário, contámos a perspectiva humana do nosso objecto. Rematámos com uma exposição oral de 30 segundos, porque a Ginjinha chamava do outro lado do largo.

The return of the prodigal sun

170318-minde-01

After several weeks in preparation, the sketches done during the six-month challenge by Pedro Cabral to the Urban Sketchers Portugal has, at last, seen the daylight! Alfredo Roque Gameiro left Minde to work, sketch and paint in the streets of Lisboa in the early 20th century. Last saturday, nearly a hundred sketches, done by over fifty authors, revisiting the original hundred locations depicted by the notorious watercolorist settled in his native town to pay him homage.

Depois de várias semanas de preparação, os desenhos feitos durante o desafio de seis meses proposto pelo Pedro Cabral aos Urban Sketchers Portugal viu, finalmente a luz do dia! Alfredo Roque Gameiro deixou Minde para trabalhar, desenhar e pintar as ruas de Lisboa no princípio do século XX. No último sábado, perto de uma centena de desenhos, feitos por cerca de cinquenta autores, em revista aos cem locais originais desenhados pelo célebre aguarelista estabeleceram-se na sua terra natal em tributo.

170318-minde-02

There was no better place nor better crew to host this exhibition than the Museu de Aguarela Roque Gameiro and its people. The sketches can be seen until the 15th of Abril, when they’ll be regathered for a future exhibition that’s still on the drawing board. Also featured in the museum is the exhibition of original watercolors and illustrations by Alfredo Roque Gameiro himself. To top it off, the building itself, where the museum is based – Casa Açores, with its gardens and annexes – is well worth the visit, having been, in all probability, designed by master architect Raul Lino, as him and Alfredo were known to be good friends.

Não havia melhor sítio nem melhor gente para receber esta exposição que o Museu de Aguarela Roque Gameiro e as pessoas que o mantêm. Os desenhos podem ser vistos até 15 de Abril, altura em que serão reunidos para uma futura exposição que ainda está no estirador. No museu também se pode visitar uma exposição de originais de Alfredo Roque Gameiro, alguns deles, ilustrações feitas para uma edição d’As Pupilas do Senhor Reitor. Por cima de tudo, o próprio edifício onde se localiza o museu – a Casa Açores, com os seus jardins e anexos – vale bem a visita, tendo sido, em toda a probabilidade, projectada por Raul Lino, já que ele e Alfredo eram bons amigos.

170318-minde-03

The sketch meeting that opened the exhibition gathered about 20 sketchers in the museum grounds. Some even explored the weaving workshop where the beautiful local woolen blankets are made, and the town itself. In the late afternoon, the local Charales Chorus gifted us some fine gospel and other tunes for the road back home.

O encontro de desenho que inaugurou a exposição juntou cerca de 20 desenhadores no museu. Alguns até exploraram o atelier de tecelagem onde se fazem as belas mantas de lã de Minde, e a própria vila. Ao fim da tarde, o grupo local Charales Chorus ofereceu-nos um belo gospel e umas outras melodias para o caminho de volta a casa.

img_20170318_130149

#OneWeek100People2017

oneweek100ppl

Last week, Liz Steel and Marc Taro Holmes challenged sketchers worldwide to spend a workweek sketching one hundred people. Sketching people is definitely my thing. Whenever I venture out of it, I feel outside my comfort area. Lately I’ve been focusing mostly on urbanscapes, for work or work practice purposes, so the prospect of hunting down figures, faces and silhouettes for five days felt like holidays.

Na semana passada. a Liz Steel e o Marc Taro Holmes desafiaram os desenhadores do mundo a passar uma semana de cinco dias a desenhar 100 pessoas. Desenhar pessoas é a minha cena. Quando me aventuro par fora, sinto-me sempre fora da minha zona de conforto. Ultimamente, tenho insistido bastante com paisagens urbanas, por questões de trabalho e de prática, de maneira que a expectativa de caçar figuras, caras e silhuetas durante cinco dias sabia a férias.

oneweeksomeppl

I like the idea of using a single sketchbook for a single project. It’s, of course a delusion to keep such neatness ambitions amidst the chaos of several projects, but this one seemed suited. So, completing the challenge in a single sketchbook and complete the sketchbook was a challenge in its own right. Moleskine’s japanese folding sketchbook came to mind as the ideal companion for the challenge. It’s brief, pocket-size, and easy to showcase the harvest in a single glance. It even allows for writing in the cover with a white Posca pen, for that cool wrap-up look.

Gosto da ideia de usar um único caderno para um único projecto. É, claro, uma ilusão manter a ambição tal arrumação no caos de vários projectos, mas este parecia prestar-se a isso. Completar o desafio num único caderno e completar o caderno foi um desafio em si só. Ocorreu-me logo o álbum Japonês da Moleskine como o companheiro ideal para o desafio. É breve, cabe no bolso e é fácil de mostrar a colheita num único olhar. Até permite escrever com uma caneta Posca branca, para aquele ar de terminado.

Thousands of people took the challenge worldwide. Liz and Marc can be proud that they made the world sketch quickly and loosely for a single week. You can check my contribution to the challenge in my instagram account.

Milhares de pessoas no mundo aceitaram e cumpriram o desafio. A Liz e o Marc podem estar orgulhosos de terem feito o mundo desenhar rápida e descontraidamente durante pelo menos uma semana. Podem ver o meu contributo para o desafio na minha conta instagram.

10 years x 10 classes

In late 2016, I was surprised and honored to be invited by Mário Linhares, the director of the Urban Sketchers Education Committee, to be an instructor in the coming program 10 years x 10 classes, the first long-term education project organized by Urban Sketchers, that celebrates the movement’s 10 year anniversary.

No final de 2016, fiquei surpreendido e honrado por ser convidado pelo Mário Linhares, o director do Comité de Educação dos Urban Sketchers, para ser formador no futuro programa 10 anos x 10 aulas, o primeiro projecto educativo de longo prazo organizado pelos Urban Sketchers, que comemora os 10 anos do movimento.

10years10classes-world_map

It’s an international initiative, and every regional Urban Sketchers chapter can organize its own 10 classes program. I’ll be teaching three classes in the Lisboa program, alongside excellent educators Guida Casella, Nelson Paciência, José Louro and, of course, the program leader Mário Linhares. Stay tuned! Soon I’ll be posting more information about each of my classes.

É uma iniciativa internacional e qualquer grupo regional de Urban Sketchers pode organizar o seu próprio programa de 10 aulas. Eu terei o prazer de ensinar três aulas no programa de Lisboa, ao lado dos excelentes formadores Guida Casella, Nelson Paciência, José Louro e, claro, do promotor do programa, Mário Linhares. Fiquem atentos! Em breve publicarei mais informação sobre cada uma das minhas aulas.

Registrations are open here! Find out a program near you in the world. Also, if you’re travel abroad, find out if any programs are happening in your destination. This is truly a global event!

As inscrições estão abertas aqui! Descubram um programa perto de vocês no mundo. E se estiverem a pensar em viajar para fora, descubram se vão haver aulas nos vossos destinos. É verdadeiramente um evento global!

The year of the rooster

170107-martim-moniz_1

As part of the 54th Worldwide Sketchcrawl, Portuguese Urban Sketchers met in the most international square in Lisboa to join and sketch the Chinese New Year celebrations. There is no formal Chinatown in Lisboa, as opposed to many other cities in the western world where the Sketchcrawl will take place. But the Martim Moniz square is doubtlessly where the Chinese community is most present in the country. What stops it from becoming a proper Chinatown is that many more immigrant communities share the square as a hub, and they all add to the cultural mosaic that Martim Moniz is today.

Como parte do 54º Sketchcrawl mundial, os Urban Sketchers portugueses encontraram-se na praça mais internacional de Lisboa para se juntarem e desenharem a celebração do ano novo Chinês. Não há uma Chinatown formalizada em Lisboa, ao contrário de muitas outras cidades no mundo ocidental onde o Sketchcrawl irá ter lugar. Mas o Martim Moniz é, sem dúvida, o lugar no país onde a comunidade Chinesa está mais presente. O que o impede de ser uma Chinatown é que muitas outras comunidades de imigrantes partilham a praça como um centro e todos se acrescentam ao mosaico cultural que o Martim Moniz é hoje.

170122-martim-moniz-01

The public celebrations were held a week before the actual New Year (which fell on the 28th of January) to allow some quiet family time for the Chinese community in the following weekend. In the central stage, several Chinese school classes came to showcase their dancing and musical talents. One of the girls in full costume and make-up – Yanchi – even gave me her autograph on the sketchbook, beside her portrait, while all around, a marketplace spread across half the square, selling arts and crafts and representing businesses and commerce chambers. Unfortunately, the parade had happened the day before.

As festividades públicas tiveram lugar uma semana antes do novo ano propriamente dito (que calhou a 28 de Janeiro) para deixar essa data para o convívio famimiar da comunidade Chinesa. No palco central, várias turmas de escolas Chinesas vieram mostrar os seus talentos musicais e de dança. Uma das pequenas dançarinas, ainda vestida e maquilhada a rigor – Yanchi – ainda me deu o seu autógrafo no caderno, ao lado do seu retrato, enquanto à volta espalhava-se um mercado sobre metade da praça, com venda de artesanato e peças tradicionais Chinesas e representações de negociantes e associações comerciais. Infelizmente, a parada do dragão já havia acontecido no dia anterior.

170122-martim-moniz-02

Happy year of the rooster for everyone!

Feliz ano do galo para todos!