Lessons from Portimão

Whenever I teach in a sketching workshop I end up teaching myself something in the process. Either I manage to sum up my latest work processes and experiments, drawing some unforeseen wisdom off of it, or I remind myself of practices and techniques I hadn’t used in long.

Ao ensinar numa oficina de desenho, acabo sempre por aprender algo no processo. Ou faço uma revisão dos meus processos de trabalho e experiências, recolhendo alguma sabedoria imprevista, ou relembro práticas e técnicas que já não uso há muito.

170325-portimao-02

In mine and Pedro Alves‘ workshop in Portimão last weekend, the sketches I did on Sunday were heavily influenced by the challenges we had laid upon our students on Saturday. Urban Sketchers Algarve and the Municipality of Portimão invited us to teach a full-day workshop, and we decided to give a a test run to a programme that we had prepared before. It’s called “The narratives of architecture and the people that experience it“, a two-chapter workshop that challenged participants to 1) tell a sketched story of a particular piece of architecture in the town center, and 2) tell the story of the relationship of that piece of architecture with the people using it. This had to be accomplished using simple graphical techniques, such as asymmetrical planes, two-point perspective and foreground/background contrasts.
Na oficina que ensinei com o Pedro Alves no passado fim-de-semana em Portimão, os desenhos que fiz no domingo foram fortemente influenciados pelos desafios que lançámos aos alunos no sábado. Os Urban Sketchers Algarve e o Município de Portimão convidaram-nos para uma oficina de desenho de dia inteiro, e decidimos ensaiar um programa que já tinhamos preparado previamente. Chama-se “Narrativas da arquitectura e das pessoas que a vivem“, uma oficina de dois capítulos que desafiou os participantes a 1) contar a história desenhada de uma peça de arquitectura em particular no centro da cidade, e 2) contar a história da relação dessa peça de arquitectura com as pessoas que a usufruem. Estes desafios tinham de ser cumpridos usando técnicas visuais simples, como planos assimétricos, perspectiva de dois pontos de fuga e contrastes entre planos.
170325-portimao-demo-02
Framing your story for focus / Enquadramento da história para maior enfoque
170325-portimao-demo-01
Foreground and background enhancing the story focus in the middleground / Primeiro plano e plano de fundo a destacar a história no plano médio
170325-portimao-demo-04
Central character in the foreground, people and architecture in the background / A personagem central no primeiro plano, pessoas e arquitectura no plano de fundo
170325-portimao-demo-03
Keeping the horizon line on the eye level, or on the butt level / Mantendo a linha de horizonte ao nível dos olhos, ou do rabo 

A local teacher decided to enroll her class of 15-year old art students in the workshop, and that proved a mighty challenge for Pedro and I! But, hopefully, it was a rewarding challenge for both us and the participants. Pedro led the first chapter, focused on architecture, and I led the second chapter focused on people related to architecture.

Uma professora local decidiu inscrever a sua turma de alunos de arte de 15 anos, e provou ser um desafio e pêras para o Pedro e para mim! Queremos acreditar que foi uma experiência recompensadora tanto para nós como para os participantes. O Pedro conduziu o primeiro capítulo, focado na arquitectura, e eu conduzi o segundo, focado nas pessoas a relacionarem-se com a arquitectura.

170325-portimao-01

On Sunday, the Urban Sketchers Algarve gathered to sketch Portimão under the overcast sky. I joined some of the students, sheltered by the great glass box opposite the Town Hall. Having their company as a reminder of the exercises the day before, the sketches became fast and loose, with the intended focus and direction.

No domingo, os Urban Sketchers Algarve juntaram-se para desenhar Portimão debaixo de um céu nublado e chuvoso. Juntei-me a alguns dos alunos, abrigados pela grande caixa de vidro em frente à Câmara Municipal. Com a companhia deles como recordação dos exercícios do dia anterior, os meus desenhos tornaram-se mais rápidos e soltos, com o enfoque e direcção que se pretendia.

170325-portimao-03

A merry lunch at Porta Velha with everybody, closed the sketch meeting.

A patuscada com todos ao almoço na Porta Velha fechou o encontro de desenho.

BM xmas party

161216-rossio

Broadway Malyan architecture firm is located right between Restauradores and Rossio. Though I’m there every day, seldom do I sketch this privileged view over the bustling squares. The December weather was warm enough to leave the windows open, while the snacks and the drinks were set. BM used the King’s Room, where the king used to wait for the train in Rossio station, to hold its info evening – a wrap-up of the work the company had during the previous year, a few personal experiences and research from co-workers, and a glimpse of the things to come in 2017.

O gabinete de arquitectura Broadway Malyan fica entre os Restauradores e o Rossio. Embora esteja lá diariamente, raramente desenho esta vista sobre os largos movimentados. Estava um Dezembro quente o suficiente para deixar as janelas abertas enquanto as bebidas e petiscos eram servidos. A BM usou a Sala do Rei, onde o rei costumava esperar pelo comboio na estação do Rossio, para fazer a info-evening – uma súmula do trabalho do gabinete no ano que acabava, algumas experiências e pesquisas pessoais de colegas, e uma espreitadela ao que 2017 nos reservava.

161216-rossio-02

The presentations were toasted with beer, wine and champagne. Empty bottles piled up until the final moment of the group picture. With high spirits, everyone started the slow migration to the restaurant a couple of blocks away.

As apresentações foram brindadas com cerveja, vinho e champanhe. Garrafas vazias acumularam-se até ao momento da foto final de grupo. Com toda a gente animada, começou a migração lenta até ao restaurante, a um par de quarteirões dali.

161216-avenida-01

And then it got serious.

Foi então que as coisas ficaram sérias.

161216-avenida-02

Pedro Alves and I kept sober by spending more time sketching than drinking… until the scale turned to the other side. Check out his side of the story here!

O Pedro Alves e eu mantivemo-nos sóbrios passando mais tempo a desenhar que a beber… até que a balança virou. Confiram a versão dele aqui!

161216-avenida-03

I vaguely remember eating some kind of goat brownie and a few genetically miniaturized roasted vegetables, and I remember people posing for the sketch. A lot of people!

Recordo-me vagamente de uma espécie de brownie de cabrito e alguns legumes assados geneticamente miniaturizados, e recordo-me de pessoas a posar para o desenho. Montes delas!

161216-avenida-04

Even got my portrait done by co-worker Ana Oliveira! (on the left)

Até eu tive a oportunidade de posar para a Ana Oliveira! (à esquerda)

161216-avenida-05

Bartenders worked hard to keep the glasses full and the throats of the patrons wet, as Pedro Alves and I sketched our way up the corporate ladder, and we could feel the pressure!

Os barmen trabalhavam arduamente para manter os copos cheios e as gargantas dos clientes molhadas, enquanto o Pedro Alves e eu desenhavamos retratos pela escada empresarial acima. A pressão começava a fazer-se sentir!

161216-avenida-06

It was a risky move to leave the top brass to the end.

Foi uma jogada arriscada deixar o topo da cadeia para o fim.

161216-avenida-07

Rua do Século (antiga Rua Formosa)

161121-principe-real

From the Alto da Cotovia, many stories have rolled down the hill – a cleptomaniac arsonist, doomed construction sites, an underground water reservoir that still exists to this date, with an unconspicuous underground path to São Pedro de Alcântara and branching out in all directions of the hill of the Jesuits. All these stories are already better told that I could ever tell them, right here.

Our story is a much simpler one to tell: having depleted the Roque Gameiro sites in our jurisdiction (those which our lunchtime allows), Pedro Alves, Tomás Reis and I were forced to run uphill to sketch, sheltered from the rain, the next closest site – the start of the Rua do Século. After the work was done, there was barely time enough to find a tasty soup and a tastier schnitzel sandwich in the place that brags about having the best empadas in the city – to be checked.

(to be continued)

Do Alto da Cotovia muitas histórias já rolaram – um pirómano cleptomaníaco, construções falhadas, um reservatório de água subterrâneo que ainda hoje existe, com uma ligação insuspeita ao miradouro de São Pedro de Alcântara e ramificações em todas as direcções da colina Jesuíta. Todas estas histórias já foram bem melhor contadas do que eu o poderia fazer, aqui.

A nossa história é bem mais simples: sem mais locais desenhados por Roque Gameiro na nossa jurisdicção (aqueles que o horário de almoço nos permite alcançar), Pedro Alves, Tomás Reis e eu fomos obrigados a correr pela colina acima para, abrigados da chuva, desenhar o local mais próximo seguinte – o início da Rua do Século. Depois já só havia tempo para descobrir uma bela sopa e uma belíssima sandes de panado, no local que se gaba de ter as melhores empadas de Lisboa – a verificar.

(continua)

Rua do Século (antiga Rua Formosa) by / por Roque Gameiro

Road to the USk Symposium #2

USk Manchester Symposium day -3 / Simpósio USk em Manchester dia -3

No trains run between Edge Hill and Lime Street on Sunday, but the walk is a mere half an hour long. Walking besides the University of Liverpool grounds, one ends up straight in the Walker Art Gallery, a free access museum with a varied collection of paintings from the middle ages onward to the early 20th century. With many apologies to art scholars everywhere, I must confess that my favorite thing about ancient art museums is searching for weird stories for the characters in the paintings. For instance, this Italian hipster from the 16th century, wondering whether the wine is fair-trade.

Não há comboios entre Edge Hill e Lime Street aos domingos, mas a caminhada para o centro demora apenas meia hora. Caminhando ao lado dos edifícios da Universidade de Liverpool, acaba-se na Walker Art Gallery, um museu de livre acesso, com uma colecção variada de pinturas desde a idade média até ao princípio do séc. XX. Com muitas desculpas aos estudiosos de arte, devo confessar que a minha coisa favorita de se fazer nos museus de arte antiga é associar histórias estranhas às personagens estranhas dos quadros. Por exemplo, este hipster italiano do séc. XVI, interrogando-se sobre se o vinho é de comércio justo.

IMG_20160724_103422

Many more of these guys in the next post. I hope you have as much fun as I do in finding these stories.

Virão mais destes amigalhaços no próximo post. Espero que se divirtam tanto como eu a encontrar estas histórias.

In Liverpool’s small Chinatown, The Baglery had the perfect snack for me: a poppy seed bagel gloriously filled with tomato beef, sauerkraut, melted cheese, a portobello mushroom and a perfectly poached egg, with an excellent Kenyan coffee (I’ve become the guy in the picture above, I fear).

Na pequena Chinatown de Liverpool, The Baglery tinha o petisco de tarde perfeito para mim: um bagel de sementes de papoila gloriosamente recheado de tomate fresco, sauerkraut, queijo fundido, um cogumelo portobello e um ovo escalfado na perfeição, com um excelente café Queniano (temo ter-me tornado no tipo da pintura acima).

160724 Liverpool 01

Along the modernized Liverpool’s waterfront, in the Albert Dock – an interesting watery plaza concept – sits the Tate, where there was an exhibition of the Liverpool Biennial, related to Ancient Greece and the Neoclassical interpretations on which the city was built. Part of the exhibition was nothing but ancient greek objects and sculptures from other art and history museums, with a small factual text describing what the object or the character were, or what did they represent in Classical Greece. It was interesting to see how these objects, taken out of their usual context, get much more attention, and from a different audience, than they would in their original exhibitions. It’s art communication, not art. But interestingly effective.

Ao longo da frente ribeirinha modernizada de Liverpool, na Albert Dock – um conceito de praça líquida interessante – fica a Tate, onde havia uma exposição da Bienal de Liverpool, relacionada com a Antiga Grécia e as interpretações neoclássicas sobre as quais foi erguida grande parte da cidade. Parte da exposição era senão um conjunto de objectos e esculturas gregos provenientes de outros museus de arte e história, acompanhados por um pequeno texto factual, descrevendo o que cada objecto ou cada personagem era ou representava na Grécia Clássica. Foi interessante ver como estes objectos, retirados do seu context habitual, atraem muito mais atenção, e de um público diferente, do que fariam integrados nas suas exposições originais. É comunicação de arte, não é arte. Mas é interessantemente eficaz.

160724 Liverpool 02

Everything in Liverpool is at close walkable range. Still, one can easily feel the different areas of the town, from one street to another. Only one thing is truly ubiquitous here: the distinct smell of frying that lingers everywhere.

Tudo em Liverpool é a uma distância caminhável. Ainda assim, consegue sentir-se as diferentes zonas da cidade, de rua para rua. Apenas uma coisa está sempre presente: o distinto cheiro a fritos por toda a parte.

160724 Liverpool 03

Festival Med #1

160702 Loule 01

Urban Sketchers Algarve got the Municipality of the small Algarvian town of Loulé to invite a group of sketchers to record one of the largest and most peculiar events in the southern part of the country – Festival Med. It started out thirteen years ago as a Mediterranean music fest, but went on to become a well-known world music festival. The peculiar thing about Med is that it happens on several stages inside the old town. A complex system of guards and fences keeps out those without ticket – thus, inadvertently recreating the market tribute system of medieval towns.

A Câmara Municipal de Loulé, através dos Urban Sketchers Algarve, convidou desenhadores Portugueses a visitar e desenhar a cidade durante um dos maiores e mais peculiares eventos no sul do país – o Festival Med. O que começou há treze anos atrás como um festival de música mediterrânica, veio a tornar-se um reconhecido festival de música do mundo. O especial do Med é que é realizado em diversos palcos no interior da cidade antiga. Um sistema complexo de guardas e grades mantém aqueles sem bilhete fora da cidade – inadvertidamente recreando o sistema de tributo mercantil das cidades medievais.

160702 Loule 02

Of course one of the entry points of the premises had to be the iconic – and nearly centennial – Loulé’s market. Inside, the fishmongers, fruit sellers, palm readers and meat cutters got the tourists’ attention, while these stepped inside seeking shelter from the sun. The sidestreets were covered with colorful cloths to mitigate the extreme heat. All the while, busy sketchers sketched all their way to lunchtime.

Claro que um dos pontos de entrada no recinto, ou na cidade, teria de ser o icónico – e quase centenário – Mercado de Loulé. Lá dentro, peixeiras, fruteiros, videntes e talhantes chamavam a atenção aos turistas que entravam, abrigando-se do sol. As ruas laterais estavam cobertas por grandes lonas coloridas, para mitigar o calor extremo. No entretanto, desenhadores ocupados desenhavam o seu caminho até à hora do almoço.

160702 Loule 03