Bacalhau / Baccalà

Genoa-Lisboa Sketch Connection

March: Baccalà / Março: Bacalhau


This is the third of a series of 12 sketchers that Valentina Raiola and I will post throughout the year 2020, recording the similarities between our two cities.

This is one of the thousand ways Portuguese have of cooking cod fish, and happens to be my favorite. Gather the ingredients: cod fish, potato, chickpeas, carrots, egg and a choice of your preferred greens (broccoli). Boil everything and serve soaked in olive oil and vinegar. Garlic optional. Simple, effective and tasty!

Cod fish is not native from around here. It’s usually fished from the North Atlantic, so the fish has to be salted on the boats to preserve. When it gets to the shops in Lisboa, it’s hard, dry and heavily salted, so dipping in water is necessary overnight.

Este é o terceiro de uma série de 12 desenhos que a Valentina Raiola e eu iremos publicar durante o ano de 2020, registando as semelhanças entre as nossas duas cidades.

Esta é uma das mil formas que os Portugueses têm de cozinhar bacalhau, e é a minha favorita. Juntem os ingredientes: bacalhau, batata, grão, cenouras, ovo e uma escolha dos vossos verdes preferidos (brócolos). Cozam tudo e sirvam, bem regado em azeite e vinagre. fatias de alho opcionais. Simples, eficaz e saboroso!

O bacalhau não é nativo daqui. Normalmente é pescado no Atlântico Norte, portanto tem de ser salgado nos barcos para conservar. Quando chega às lojas em Lisboa, está duro, seco e fortemente salgado. Torna-se necessário demolhá-lo durante a noite.

Pizzeria ai Marmi

It’s one of those places that make a trip just that much enjoyable. Ai Marmi is a pizza joint in the Trastevere, in Rome. The pizza, good although nothing fancy. The no-frills service delivered with amiable grunts and spent out jokes. The decor dated and eclectic, cold marble tables crammed in narrow rows. The heat from the wood-heated oven turned the noisy dining room into a sauna. The tables outside were battled over by sweaty Americans. And all this is perfectly fine if you feel the place you are in is the real deal! Ai Marmi has been serving pizzas and delicious starters to Romans and otherwise since the 50’s, and we hope, for many decades more.

É um daqueles sítios que faz com que uma viagem se torne um bocadinho mais alegre. Ai Marmi é uma pizzaria no Trastevere, em Roma. A pizza, boa mas nada de especial. O serviço sem frescura, acompanhado com grunhidos amigáveis e piadas já gastas. A decoração datada e eclética, mesas frias de mármore encavalitadas umas nas outras em filas estreitas. O calor do forno a lenha transformava a sala de jantar numa sauna. As mesas na esplanada disputadas por Americanos suados. E tudo isto é perfeito, se se sente que o sítio em que se está é de verdade! A pizzaria Ai Marmi serve pizzas e entradas deliciosas a Romanos e outros desde os anos 50, e esperamos que por muitas mais décadas.

Valentina and Guido

The perfect lodging is half a trip’s success. In Rome, we found a nice, comfortable apartment, for all five of us, in the Castro Pretorio, close to Termini Train Station.

All amenities aside, what won us over was the splendid book and magazine collection the apartment featured. All ranging from books on Russian orthodox art, to photojournalism magazines. There was something there for each of us. What captured my eye was a collection of erotic and psychedelic Italian comic books from the 70’s, and especially the character Valentina, penned by Guido Crepax. Valentina Rosselli is a photojournalist who was a minor character in the early Crepax stories, but rose to be his main creation. Her stories have that mix of artistic nihilism, psychedelic hallucinations and S&M eroticism that could only be found with Italian text in the speech bubbles. So notable is the character that even the apartment owner found a way to include some Valentina printed tiles in the toilet and shower.

The apartment also featured a gigantic terrace, overlooking the lively mix of immigrant communities in the streets below. Peruvian bars, Ethiopian restaurants and Philippine hairdressers made up a strange but warm urban texture. Every morning, traffic would yield the street to the daily flea market. At night, we planned the tours of the day after and explored the multitude of Italian wines, while enjoying the warm breeze of the terrace with some delicious home-made pasta.

O alojamento perfeito faz metade da viagem. Encontrámos em Roma um belo apartamento, confortável para nós os cinco, no Castro Pretorio, perto da Estação de Termini.

Confortos à parte, aquilo que nos conquistou for a esplêndida colecção de livros e revistas que o apartamento continha. Tudo desde livros sobre arte ortodoxa Russa a revistas de fotojornalismo. Havia algo para cada um de nós. O que me capturou for uma colectânea de banda desenhada erótica e psicadélica Italiana dos anos 70, e especialmente as histórias da personagem Valentina, desenhadas por Guido Crepax. Valentina Rosselli é uma fotojornalista que era uma personagem menor nas primeiras histórias de Crepax, mas que se tornou a sua maior criação. As suas histórias têm aquela combinação de niilismo artístico, alucinações psicadélicas e eroticismo sado-masoquista que só poderiam ser encontrados acompanhados com balões de fala em Italiano. É tão notória a personagem que até o proprietário do apartamento encontrou uma forma de incluir alguns azulejos com impressões da Valentina na casa de banho e duche.

Tinhamos também ao nosso dispor um terraço gigante, a mirar a combinação animada de comunidades imigrantes nas ruas abaixo. Bares peruanos, restaurantes Etíopes e cabeleireiros Filipinos geravam uma estranha mas agradável textura urbana. Todas as manhãs, o trânsito cedia à rua o espaço para uma feira da ladra. À noite, planeavamos os passeios do dia seguinte e exploravamos a multitude de vinhos Italianos, enquanto disfrutavamos da brisa quente do terraço, com uma bela massa caseira.

Carina goes to the Santos

When belonging in the Urban Sketchers global community, one is prone to unusual encounters.

Carina Tornqvist, whom I first met at the USk Symposium in Manchester, is one of the admins of the Malmö USk chapter, in Skåne, Sweden, one time a home for me. At the time, we exchanged though the few dozen Swedish words I still recalled. Then last summer she came over to Lisboa and we had the chance to chat and sketch together a bit more.

Carina was lucky to book her time in Lisboa during the Santos, the city festivities. That usually means sketching drunk among heaps of people, ending the night smelling like sweat and grilled sardines – It was a blast of course!

But there’s just so much smelly alleyways one can cope with, so on her final evening in Lisboa, we went to balance the fun attending half a jazz concert at Hot Clube. Carina’s trip came to an end with yet another unusual encounter: the end of the night saw us mingling with the drummer’s father, who was a religious icon painter from Serbia.

Quando se pertence à comunidade dos Urban Sketchers, há uma certa inclinação para encontros invulgares.

A Carina Tornqvist, que conheci no Simpósio USk em Manchester, é uma das administradoras do grupo USk de Malmö, em Skåne, na Suécia, região que já tinha sido a minha casa. Na altura, trocámos as poucas dúzias de palavras de Sueco que ainda recordava. Mas, no ano passado, exactamente nesta altura, ela visitou Lisboa, onde tivemos oportunidade de conversar e desenhar juntos um pouco mais.

A Carina teve a sorte de marcar a viagem dela a Lisboa durante os Santos Populares. Isso normalmente significa desenhar embriagado, rodeado de montanhas de gente, acabando a noite a cheirar a suor e sardinhas – claro que foi espectacular!

Mas há um limite para as ruelas fedorentas que se aguentam. Assim, na última noite dela em Lisboa, fomos equilibrar um pouco a equação assistindo meio concerto de  jazz no Hot Clube. A viagem da Carina a Lisboa terminou com mais um encontro invulgar: o final da noite foi passado com o pai do baterista, um pintor de ícones religiosos Sérvio.

Roasted chicken and Latin America

More than a year has passed since these sketches were done. They’re a month apart and are the records of a great year to be a sketcher in Lisboa. In a partnership with the Lisboa, Capital Ibero-americana da Cultura program and the Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, the Urban Sketchers Portugal was able to bring to the city several sketchers from Portugal, Spain and Latin America for a season of lectures and workshops.

Norberto Dorantes and Omar Jaramillo were two notable examples. Both of them enjoyed welcoming lunches at the best roasted chicken place in the city, with the merry company of a few local sketchers.

Já passou mais de um ano desde que estes desenhos foram feitos. Têm um mês de intervalo e são registos de um excelente ano para ser um desenhador em Lisboa. Numa parceria com o programa Lisboa, Capital Ibero-americana da Cultura e com a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, os Urban Sketchers Portugal conseguiram trazer à cidade vários desenhadores de Portugal, Espanha e América Latina para uma temporada de palestras e oficinas.

O Norberto Dorantes e o Omar Jaramillo foram dois exemplos notáveis. Ambos puderam disfrutar de um almoço de boas vindas no melhor frango assado da cidade, na companhia alegre de alguns urban sketchers locais.