10×10 Lisbon: Public realm objects

02_usk-10classes-lisbon

The past Wednesday, I had my first class as instructor in the Urban Sketchers 10 Years x 10 Classes programme in Lisboa. All classes are focused on graphic reportage and storytelling, and we will be approaching subjects on three different scales. We’ll learn how to handle and tell little, medium and big stories about the places where we live.

Na passada quarta-feira, dei a minha primeira aula como instrutor no curso 10 Years x 10 Classes dos Urban Sketchers em Lisboa. Todas as aulas são focadas na reportagem gráfica e nas histórias desenhadas, e vamos abordar os assuntos em três escalas diferentes. Vamos aprender a contar histórias pequenas, médias e grandes, sobre os sítios onde vivemos.

In my little stories class, we focused on city objects that you don’t really notice they’re there, but can be very important to your safety, comfort or enjoyment – public realm objects. We learned how to harvest an interesting story out of the most mundane and unnoticed objects in our city. After all, is there a better way of becoming a good storyteller than to turn a dull subject into a fascinating report? We also practiced how to properly balance title, text and figure in the same sketch. Finally, we challenged each other as we pitched our story out loud to all of our colleagues.

Na minha aula de histórias pequenas, focámo-nos em objectos da cidade que não notamos que lá estão, mas que podem ser muito importantes paa a nossa segurança, conforto ou prazer – objectos do domínio público. Aprendemos a colher uma história interessante a partir dos mais mundanos objectos na nossa cidade. Afinal, há melhor maneira de nos tornarmos bons contadores de histórias que tornar um assunto aborrecido numa reportagem fascinante? Também praticámos o equilibrio entre texto, título e desenho nas mesmas páginas. Finalmente, desafiámo-nos uns aos outros ao contar, em viva voz, a nossa história aos nossos colegas.

170523-sao-domingos-01
In the first exercise, we sketched a city view, filtering out everything that wasn’t a public realm object. Here, critical reasoning was fundamental, as we could include or exclude objects based on our own opinion. After all, it’s our sketchbook, we cry if we want to. We wrapped it up by attributing a verb to each object.

No primeiro exercício, deenhámos uma vista urbana, filtrando tudo o que não era objecto do domínio público. Aqui, o nosso sentido crítico foi fundamental, porque incluimos ou excluimos objectos baseados nas nossas próprias opiniões. Afinal, o caderno é nosso, fazemos o que queremos nele. Terminámos a atribuir um verbo a cada objecto desenhado.

170523-sao-domingos-02

In the second challenge, we chose one of the objects, sketch it from several viewpoints when necessary, and take plenty of notes about it – facts only, or questions about facts that we’d like cleared. Then, in one minute, we pitched our sketch to everybody.

No segundo desafio, escolhemos um dos objectos, desenhámo-lo de vários pontos de vista, quando necessário, e tomamos apontamentos – apenas factos, ou interrogações sobre factos que gostariamos de ver esclarecidos. No final, tivemos um minuto para mostrar e contar o nosso desenho a todos.

170523-sao-domingos-03

Finally, we approached the story full-on, relating the object to the people around it, or the people that interact with it, or even the people that walk past it and simply ignore it. Sketching a bit of the context, if necessary, we told
the human story of the chosen object. We wrapped it up with a 30-second pitch, because Ginjinha was calling from across the square.

Finalmente, abordámos a história em pleno, relacionando o objecto com as pessoas em seu torno, ou as pessoas que interagiam com ele, ou mesmo as pessoas que ignoravam o objecto e simplesmente passavam por ele. Desenhando um pouco do contexto, se necessário, contámos a perspectiva humana do nosso objecto. Rematámos com uma exposição oral de 30 segundos, porque a Ginjinha chamava do outro lado do largo.

The year of the rooster

170107-martim-moniz_1

As part of the 54th Worldwide Sketchcrawl, Portuguese Urban Sketchers met in the most international square in Lisboa to join and sketch the Chinese New Year celebrations. There is no formal Chinatown in Lisboa, as opposed to many other cities in the western world where the Sketchcrawl will take place. But the Martim Moniz square is doubtlessly where the Chinese community is most present in the country. What stops it from becoming a proper Chinatown is that many more immigrant communities share the square as a hub, and they all add to the cultural mosaic that Martim Moniz is today.

Como parte do 54º Sketchcrawl mundial, os Urban Sketchers portugueses encontraram-se na praça mais internacional de Lisboa para se juntarem e desenharem a celebração do ano novo Chinês. Não há uma Chinatown formalizada em Lisboa, ao contrário de muitas outras cidades no mundo ocidental onde o Sketchcrawl irá ter lugar. Mas o Martim Moniz é, sem dúvida, o lugar no país onde a comunidade Chinesa está mais presente. O que o impede de ser uma Chinatown é que muitas outras comunidades de imigrantes partilham a praça como um centro e todos se acrescentam ao mosaico cultural que o Martim Moniz é hoje.

170122-martim-moniz-01

The public celebrations were held a week before the actual New Year (which fell on the 28th of January) to allow some quiet family time for the Chinese community in the following weekend. In the central stage, several Chinese school classes came to showcase their dancing and musical talents. One of the girls in full costume and make-up – Yanchi – even gave me her autograph on the sketchbook, beside her portrait, while all around, a marketplace spread across half the square, selling arts and crafts and representing businesses and commerce chambers. Unfortunately, the parade had happened the day before.

As festividades públicas tiveram lugar uma semana antes do novo ano propriamente dito (que calhou a 28 de Janeiro) para deixar essa data para o convívio famimiar da comunidade Chinesa. No palco central, várias turmas de escolas Chinesas vieram mostrar os seus talentos musicais e de dança. Uma das pequenas dançarinas, ainda vestida e maquilhada a rigor – Yanchi – ainda me deu o seu autógrafo no caderno, ao lado do seu retrato, enquanto à volta espalhava-se um mercado sobre metade da praça, com venda de artesanato e peças tradicionais Chinesas e representações de negociantes e associações comerciais. Infelizmente, a parada do dragão já havia acontecido no dia anterior.

170122-martim-moniz-02

Happy year of the rooster for everyone!

Feliz ano do galo para todos!

Blossom / Florir part #5

(previous article / artigo anterior)

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal

Besides the reward of having thousands of people from all around the world appreciating their work, there’s another incentive for the townsfolk to invest in a good design, fine detailing and a perfect execution: at the end of the Festas do Povo de Campo Maior, one of the streets is elected the most beautifully decorated street.

Para além da recompensa de ter milhares de pessoas de todo o mundo virem conhecer e apreciar o trabalho feito, há outro incentivo para os nativos investirem numa boa decoração, com detalhe e execução perfeitas: no final das Festas do Povo de Campo Maior, uma das ruas é nomeada a mais bela da vila.

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal

Because of that, some of the streets decided to invest in nighttime decoration for the first time. Although the streets can be roamed at night, just a handful of them were designed with nighttime decoration, with proper lighting and differentiated atmospheres. That might just do the trick, the moment that the most beautiful street gets announced.

Por causa disso, algumas das ruas decidiram investir em decoração noturna pela primeira vez. Apesar de as ruas poderem ser percorridas à noite, só um punhado delas foi concebido com decoração noturna, com iluminação adequada e ambientes diferenciados. Isso poderá fazer a diferença no momento em que a rua mais bela for anunciada.

Blossom / Florir part #4

(previous article / artigo anterior)

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal

While the locals go about their lives, working and/or maintaining their streets and the tourists meander the themed streets of Campo Maior, another group of locals work around the clock, making sure that everybody is safe and emergencies are immediately taken care of – the Voluntary Fire Corps.

Enquanto os residentes trabalham e/ou cuidam das suas ruas e os turistas percorrem as ruas engalanadas de Campo Maior, um outro grupo de nativos trabalham 24 sobre 24, tratando que todos estejam seguros e que as emergências sejam imediatamente atendidas – os Bombeiros Voluntários de Campo Maior.

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal
Cars, ambulances and jeeps come and go anytime there’s emergency reports. The intense heat is probably the cause of many of them. Some firemen take a break from the sleepless nights and busy days, just outside of the station, shaded from the hot sun. Being sketched was definitely a change in their routine.

Carros, ambulâncias e jipes vão e vem sempre que há relatos de emergências. O calor intenso é a causa provável de muitos deles. Alguns bombeiros fazem uma pausa das directas e dos dias longos no exterior do quartel, em bancos abrigados do sol escaldante. Serem desenhados foi, sem dúvida, algo de diferente na sua rotina.

Blossom / Florir part #3

(previous article / artigo anterior)

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal
Campo Maior is in the mouth of many people in the region. TVs broadcast footage from the busy streets during the festivities side by side with reportages boasting the success of the municipality in the business and social arenas, although some of the locals might have a different opinion on the matter.

Campo Maior está na boca de muitas pessas da região. As televisões transmitem imagens das ruas movimentadas durante as Festas, lado a lado com reportagens sobre o sucesso do município nos sectores económico e social, apesar de que alguns dos locais possam ter alguma coisa contrária a dizer sobre o assunto.

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal
Such matters become forgotten during the Festas do Povo, when the town dresses itself up in colorful paper flowers. As a local I met said, doors hide many secrets, and each street decoration theme is a well-kept secret, right until the night of the Enramação. Each street picks a theme and designs all the elements according to that theme. It might be a generic theme, like orange or cherry trees, but some streets choose specific themes, like the street that based its decoration on the movie Frozen.

Tais assuntos são parcialmente esquecidos durante as Festas do Povo quando a vila se veste de flores de papel coloridas. Como me disse um simpático nativo, as portas escondem muitos segredos, e o tema da decoração de cada rua é um segredo bem guardado, mesmo até à noite da Enramação. Cada rua escolhe um tema e concebe todos os elementos decorativos de acordo com esse tema. Pode ser um tema mais genérico, como laranjeiras ou cerejeiras, mas algumas ruas apostam em decorações específicas e da moda, como a rua que se decorou com o ambiente do filme Frozen.

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal
People who barely know the town get lost very easily during the festivities, because the decorations cover up all landmarks and recognizable orientation points. Only in squares and parks can one hope to catch one’s bearings. Anything above the ground floor is covered by the street’s flower ceilings. These devices build up a lot of the character of the decorated streets, as the sunlight gets filtered by the strings of flowers hung from the structures and the textured shadows project upon the pavement.

As pessoas que mal conhecem a vila perdem-se com facilidade durante as Festas, porque as decorações cobrem muitos dos marcos reconhecíveis e pontos de orientação tradicionais. Só em largos e jardins se consegue recuperar a orientação. Tudo para cima do piso térreo é ocultado pelos tectos de flores. Estes dispositivos são responsáveis por muito do carácter das ruas engalanadas, filtrando o sol e criando desenhos de sombra texturados no pavimento.

Festas do Povo de Campo Maior, Campo Maior, Festas das Flores, Campo Maior, Alentejo, Portugal
The streets forget their official name and temporarily adopt the name of the theme. People identify streets by the flowers, plants or other elements that decorate them. Names like the vineyard street, the tulip street and the pumpkin street take place in the mental map of Campo Maior.

As ruas esquecem o seu nome oficial e adoptam temporariamente o nome do seu tema. As pessoas passam a identificar as ruas pelas flores, plantas ou outros elementos que as decoram. Nomes como a rua da vinha, a rua das túlipas e a rua das abóboras tomam forma no mapa mental de Campo Maior.