Light and shadow in Elvas

The small Museum of Sacred Art in Elvas is a meandering sequence of stairways, rooms and corridors – wrapped around the cathedral walls – leading to a couple of precious paintings by 16th century Spanish artist Luis de Morales. Urban Sketchers Raia made it the location for their 26th sketch meeting, seeking shelter from the stabbing cold and the stubborn rain. I spent most of the morning studying how Morales created a sense of awe by backlighting his Our Lady of Assumption and shading the figures in the foreground.

O pequeno Museu de Arte Sagrada de Elvas é uma sequência sinuosa de escadas, salas e corredores – enroladas em torno das paredes da sé – que desembocam num par de pinturas do artista espanhol Luis de Morales, do século XVI. Os Urban Sketchers da Raia fizeram do museu o sítio do seu 26º. encontro de desenho, em busca de abrigo do frio gélido e da chuva teimosa. Passei a maior parte da manhã a estudar como Morales criou o sentido de reverência iluminando o fundo da Nossa Senhora da Assunção e sombreando as figuras do primeiro plano.

Kuski, one of my fellow sketchers, took the study of the painting to another level, working on it by repetition, approaching it with different techniques and angles, finding something new in every sketch. It’s a good exercise to do this with art we find captivating. I should try the same more often, but my patience caves under the stress of repetition.

O Kuski, um dos meus companheiros desenhadores, levou o estudo da pintura a outro nível, trabalhando por repetição, abordando-o com diferentes técnicas e de diferentes ângulos, encontrando sempre algo de novo a cada desenho. É um bom exercício fazer isto com arte que nos cativa. Devia tentar o mesmo com mais frequência, mas a minha paciência cede ao atrito da repetição.

In the afternoon, I devoted some time to the cathedral itself, remaining on the subject of light and shadow, trying to narrow the rich spectre of light down to four values.

À tarde, dediquei algum tempo à própria sé, permanecendo no tema da luz e da sombra. Restringi o vasto espectro de luz a quatro valores apenas.

dav

The Benjamin Button watercolor

This is the story of a watercolor that was born old and grew younger and younger as time (and attempts) went.

Esta é a história de uma aguarela que nasceu velha e rejuvenescia com o passar do tempo (e das tentativas).

She started out her life as a commission for a couple of friends that were going to get married in the church that she portrayed. Adult – apparently – mature, finished and ready to go.

Começou a vida como uma encomenda para um casal de amigos que se iam casar na igreja que retratava. Adulta – aparentemente – matura, acabada e pronta para partir.Then, she went through a phase, where she was trying to accept her shapes.

Depois passou por uma fase em que tentava aceitar as suas formas.And find a better way to control but also to express her colors, by balancing the right emotions with the right reasons.

E tentou encontrar uma forma de melhor controlar, mas também expressar as suas cores, equilibrando na dose certa as suas emoções e as suas razões.She got younger still, while she was trying to put together her elements.

Ficou ainda mais jovem, enquanto tentava juntar os seus elementos.

Finally, she went back to the origins, into the sketchbook, where she should have been born.

Finalmente, voltou para as origens, para o caderno, onde ela deveria ter nascido.

Largo da Saúde e Rua da Mouraria

160704-mouraria

One of the sites that changed the most since Roque Gameiro illustrated it is the Largo da Saúde. A century ago, it was a small square, right in front of the Capelinha da Senhora da Saúde tucked away between rows of buildings along the Rua da Mouraria, a way out of the north of the city. Now, the cozy square is mostly lost to the wider Martim Moniz square, with its modern glass and concrete buildings of the post-modern era. The narrow Rua da Mouraria remains as a frontier between old and new.

(to be continued)

Um dos locais que mais mudou desde que o Roque Gameiro o desenhou foi o Largo da Saúde. Há um século atrás, era um pequeno largo, mesmo em frente da Capelinha da Senhora da Saúde, encaixada entre fileiras de edifícios ao longo da Rua da Mouraria, uma das saídas da cidade velha em direcção ao norte. Hoje em dia, o aconchegado largo perdeu-se para o gigante largo do Martim Moniz, com os seus edifícios de betão e vidro da era pós-moderna. A estreita Rua da Mouraria permanece uma fronteira entre o velho e o novo.

(continua)

Largo da Saúde e Rua da Mouraria by / por Roque Gameiro

A morning in Clérigos

160917-largo-dos-leoes

Porto, or how foreigners say it, Oporto, is the second largest city in Portugal. Although Lisboa’s known as the city of the seven hills (a rip-off from Rome?), Porto is way much hillier. Sitting in the north bank of the winding Douro river, the city pours down along the slopes of dark granite though tight streets, archways and a few ruins. Urban Sketchers Portugal Norte organized a few routes across the city for a sketch meeting – cross sections of Porto’s best. Our journey started in the Largo dos Leões, looking the tower of the Clérigos church, the 18th century baroque icon of Porto.

O Porto, ou como se diz em estrangeiro, Oporto, é a segunda maior cidade em Portugal. Apesar de Lisboa ser conhecida como a cidade das sete colinas (um saque a Roma?), o Porto é bem mais colinoso. Assente sobre a margem norte do Douro, a cidade escorre ao longo das encostas de granito escuro, através de ruas estreitas, arcos e algumas ruínas. Os Urban Sketchers Portugal Norte organizaram alguns percursos ao longo da cidade – cortes transversais ao melhor do Porto. A nossa viagem começou no Largo dos Leões, olhando para a torre da Igreja dos Clérigos, o ícone barroco do Porto.

160917-clerigos

The Passeio dos Clérigos, an outdoors shopping mall cuts a contemporary path between the Largo and the landmark. A walkable olive garden covers the shops. Right next to the Clérigos tower, Campo dos Mártires da Pátria and Assunção streets draw the line between the late medieval town and the expansion beyond the city walls. It’s here that we start to notice the traditional street elevations of old Porto, with tight plots and tiled façades.

O Passeio dos Clérigos, um centro comercial de rua a céu aberto, corta uma via contemporânea entre o Largo e a torre setecentista. Um jardim de oliveiras circulável serve-lhe de cobertura. Mesmo ao lado da Torre dos Clérigos, as ruas Campo Mártires da Pátria e da Assunção marcam a fronteira entre a cidade medieval e a expansão para além da muralha fernandina. Aqui, começam-se a notar os tradicionais alçados de rua Portuenses, com lotes estreitos e fachadas em azulejo.

Road to the USk Symposium #3

USk Manchester Symposium day -2 / Simpósio USk em Manchester dia -2

160725 Liverpool 01

The morning in Liverpool was spent revisiting some places from the day before, such as the Mann Island Buildings, designed by Broadway Malyan, or Bold Street, with Saint Luke’s Church peeking from afar. Also, taking a tour through the city bookstores and comic book stores, always a must.

A última manhã em Liverpool foi passada a revisitar alguns lugares do dia anterior, tais como os Edifícios de Mann Island, projecto da Broadway Malyan, ou a Bold Street, com a Igreja de São Lucas a espreitar ao fundo. Também a coscuvilhar as livrarias e lojas de banda desenhada locais. 

160725 Liverpool 02

The Liverpool Cathedral was the final exclamation point on the city’s tour. Its construction started in 1906 in a revivalist design gesture by Giles Gilbert Scott – the same architect that designed the Battersea Power Station, the somber, almost post-apocalyptic building in the cover of Pink Floyd’s Animals. Ranging 189 meters in length, it’s the longest cathedral in the world, and it’s quite tall while at it. I always appreciate the lack of added decoration in protestant churches – makes for a better perception of the building’s beauty. An attitude that is usually lacking in catholic temples.

Catedral de Liverpool foi o ponto de exclamação na volta à cidade. Começou a ser construida em 1906 num gesto revivalista de Giles Gilbert Scott – o mesmo arquitecto que projectou a Central Energética de Battersea, o sinistro, quase pós-apocaliptico edifício da capa do álbum Animals, dos Pink Floyd. Com o comprimento de 189 metros, é a catedral mais longa do mundo, e também se ajeita em altura. Aprecio sempre a ausência de decoração adossada nas igrejas protestantes – torna a beleza dos edifícios mais aparente. Uma atitude que normalmente falta nas igrejas católicas. 

160725 Liverpool 03

My favourite subject – people – has been seriously neglected in this trip. I was able to make up for it on the train bound for Manchester and at a later venue.

O meu objecto de desenho favorito – as pessoas – tem estado a ser esquecido à séria nesta viagem. Pude tirar a barriga de misérias no comboio para Manchester, e mais tarde, num evento.

160725 Manchester 01

The road to Manchester was finally over, and it took me straight to the City Council square, where I found that, besides hosting the USk International Symposium, Manchester is also the European City of Science and stage to a Jazz Festival. A lot going on around here! This last venue warranted Hobgoblin Beer to set up a pavillion in the square, surrounded by some street food joints and a bunch of tables. Perfect setting to do some sketching.

O caminho para Manchester acabou finalmente, e levou-me directo à praça do City Council, onde descobri que, para além de anfitriã do Simpósio Internacional USk, Manchester é também a Cidade Europeia da Ciência e palco de um Festival de Jazz. Tanto a acontecer por aqui! Este último evento justificou a que a Cervejaria Hobgoblin levantasse um pavilhão na praça, rodeado por bancas de comida de rua e umas quantas mesas de exterior. O dispositivo ideal para ficar a desenhar.

160725 Manchester 02

A concert was starting inside the pavillion moments after the City Council sketch was done, so that was probably no coincidence. I made my way inside the tent, sat on the front row, and couldn’t help but sketch to the funky beat of Portmanteau, an English band with a tremendous amount of energy that got everybody to stand up right at the very end of the concert. Funk is not jazz, but they’ve sure earned their spot at the stage this night! In the end, I managed to mingle a bit with them and even got their autographs.

Começava um concerto dentro do pavilhão, apenas momentos depois de terminar o desenho do City Council – não aceitei o facto como coincidência. Entrei na tenda, sentei-me na fila da frente e não pude evitar desenhar ao som da batida funky dos Portmanteau, uma banda Inglesa com uma energia tremenda e que pôs toda a gende de pé mesmo no final do concerto. Funk não é jazz, mas sem dúvida que eles ganharam o lugar no palco esta noite! No final, ainda pude confraternizar um pouco com a banda e ficar com os seus autógrafos.

160725 Manchester 03