Avaliando o SM.LT Art Layflat Stonebook

(click here for the English review)

Layflat watercolor stonebook da SM.LT é uma surpresa engraçada para tirar da mochila. A capa de pedra é uma extravagância com piada que chama a atenção, mas o verdadeiro valor deste caderno está no no interior, no seu excelente papel de aguarela. O fabricante Lituano graciosamente, enviou-me um exemplar para experimentar, depois da sua colaboração comigo e com o Pedro Alves, na nossa oficina em Barcelona, e estou finalmente pronto para publicar alguns resultados.

Exterior

A característica que dá o nome ao caderno é a sua capa em pedra autêntica. É, na realidade, uma folha fina de ardósia escura colada numa placa de cartão cinzento, quer na capa quer na contracapa. A ardósia parece estranha, de uma forma engraçada. Como se estivessemos a carregar uma placa de pedra, para gravar uma paisagem nela. Isto também faz com que cada caderno seja único, já que a textura e o padrão da ardósia nunca é o mesmo.

O papel e a capa são cortados juntos, à dimensão de 195 x 195mm, em cantos rectos, sem sobreposição da capa, o que fragiliza o caderno, se o tivermos na mochila ou mala durante muito tempo.

O seu ponto mais fraco é, sem dúvida, a espinha: as costuras estão à mostra, cobertas e seguras por uma camada de cola transparente. Com tempo e uso, a cola começa a separar-se do caderno por inteiro – no meu caso, depois de um mês de uso – expondo as costuras.

Papel

Apesar da singular capa, a característica mais forte desde caderno está no interior, no papel. 32 folhas de papel de algodão com 300g/m2, com uma textura ligeiramente rugosa – mesmo como eu gosto – mas macia o suficiente para que canetas de aparo deslizem aceitavelmente. A textura faz maravilhas com pinceladas de aguarela seca. Molhado sobre molhado também tem um bom comportamento, apesar de o tempo de seca ser mais breve que papel de aguarela profissional.

A absorção de água é bastante boa. Os meus desenhos costumam levar entre uma e três camadas de aguarela, e o branco do papel ainda brilha através das três.

As folhas de forra das capas são o mesmo papel. Assim é possível desenhar de uma ponta à outra do caderno.

Contagem final dos prós:

  • Caderno de papel de algodão acessível, para a vossa aguarela diária, ou para testes de aguarelas mais sérias.
  • A capa de ardósia dá-lhe um aspecto e toque únicos.
  • O formato quadrado é muito prático e adaptável.
  • Pequeno o suficiente para transportar, mas grande o suficiente para pintar cenários maiores.
  • Abre por completo.
  • Costuras robustas.

Contagem final dos contras

  • Protecção da espinha frágil e sujeita a desgaste rápido.
  • Cantos fragilizados pelo corte.

Veredicto final

O Layflat Stonebook é um bom caderno introdutório aos papeis de aguarela mais espessos. Apesar de haver melhores cadernos de papel de aguarela no mercado, o Layflat beneficia por ter um excelente equilíbrio qualidade-preço, e encontra o seu nicho entre o desenho e a aguarela. A característica titular da capa de pedra apenas o torna um bocadinho mais apetecível.

Author: Pedro Loureiro

I was born on the southwestern-most tip of Europe, in Lagos, Portugal. A childhood of legos and sandcastles led me to architecture school, but an adolescence of doodling drove me to sketching and later to illustration. I like to sketch, to travel and to chop vegetables into tiny manageable bits. I also like maps. The older the better!

Leave a Reply

Your email address will not be published.