Avaliando o Hahnemühle Watercolor Book

(click here for the English review)

Poças! Sinto-me como um miúdo prestes a falar a alguém sobre o seu brinquedo favorito! Onde começar? Talvez dizendo que o Hahnemühle Watercolor Book (HWB) é um dos meus cadernos favoritos de sempre!

É vendido em três tamanhos: A5 e A6 ao alto e ao baixo, e um volumoso A4 ao baixo. Esta avaliação é sobre o A5 ao baixo, vendido a 12.83€ na minha loja de artes local.

 

Exterior

A capa dura é revestida num tecido sintético cinzento escuro, que tem uma textura rugosa bastante prática, porque reduz a possibilidade do caderno escorregar das mãos durante um desenho ou ao transportá-lo. Tem um elástico preto que o mantém fechado, a fita marcadora vermelha do costume, e o logo do galo da Hahnemühle em relevo no verso, ao centro e abaixo.

Os cantos das capas e do papel são arredondados, para prevenir o desgaste, e o limite do papel está recuado entre 3-4mm em relação ao limite da capa, que garante protecção adicional às bordas do papel. O caderno é bastante robusto. Já usei um HWB durante seis meses, carregando-o na mochila, sem sombra de desgaste quer na capa, quer no papel.

Papel

No interior, 40 folhas cosidas de excelente papel de aguarela, de 200g/m2, grão fino, esperam os vossos desenhos. As folhas de forra são do mesmo tipo de papel, assim é possível começar logo a desenhar no verso da capa – Costumo usar o papel de forra para escrever o meu nome e contactos, em caso de perda.

Uma coisa que salta logo à vista é que a espinha do HWB abre completamente. Não há melhor maneira, salvo a qualidade do papel, para aliciar um desenhador a usar um caderno que um spread completamente plano!

O papel é bastante robusto, e consegue aguentar água à séria. Costumo usar técnicas de aguarela molhado sobre molhado e molhado sobre seco, e este papel aguenta-se competentemente, permitindo várias camadas e mistura de cores. Abosrve a água moderadamente rápido, mas é suficiente para permitir trabalhar as cores e levar o pigmento onde se quer.

Usar aguarelas de qualidade neste papel é recompensante, uma vez que ele preserva todo o brilho, intensidade e transparência que se esperaria em papel de maior calibre. Apesar de tudo, continua a ser papel de celulose, portanto não se pode esperar o mesmo comportamento que no papel de algodão (isto é, não mais do que duas a três camadas). O papel enruga um pouco com a água em excesso, mas nada que seja determinante na qualidade do trabalho final.

Acessórios

O elástico é sempre útil, já que mantém o caderno fechado dentro da mochila. Também o uso para prender a caneta temporariamente, para não ter de guardar tudo no sítio enquanto caminho durante alguns minutos em busca de outro desenho, ou para prender as páginas num dia ventoso. A sua elasticidade dura pelo menos há três anos (a idade do meu primeiro HWB). A fita marcadora vermelha é-me um pouco inútil, uma vez que o ligeiro enrugamento do papel me diz, de forma mais prática e directa, qual a última página usada. Mas a fita é tão fina e discreta que nem dou por ela.

Contagem final dos prós
  • Papel perfeitamente equilibrado para desenhos e aguarelas descontraidos de interior ou exterior. Também já usei satisfatoriamente o HWB para alguns trabalhos profissionais.
  • O revestimento da capa devia ser o padrão para todos os cadernos por aí!
  • Portátil, leve, resistente.
  • Excelente valor monetário.
  • Abre na totalidade.
Contagem final dos contras
  • Não me ocorre nada
Veredicto final

Este caderno é um espectáculo! Um verdadeiro produto de engenharia Alemã. É uma tela de luxo para os vossos melhores desenhos – evito usá-lo para desenhos de teste ou experimentação, porque quero que cada página conte – e, se for bem usado, faz as aguarelas saltar fora das páginas! Se houvesse um HWB de papel 100% algodão, iria definitivamente comprá-lo.

 

Author: Pedro Loureiro

I was born on the southwestern-most tip of Europe, in Lagos, Portugal. A childhood of legos and sandcastles led me to architecture school, but an adolescence of doodling drove me to sketching and later to illustration. I like to sketch, to travel and to chop vegetables into tiny manageable bits. I also like maps. The older the better!

Leave a Reply

Your email address will not be published.