10×10 Lisbon: Public realm objects

02_usk-10classes-lisbon

The past Wednesday, I had my first class as instructor in the Urban Sketchers 10 Years x 10 Classes programme in Lisboa. All classes are focused on graphic reportage and storytelling, and we will be approaching subjects on three different scales. We’ll learn how to handle and tell little, medium and big stories about the places where we live.

Na passada quarta-feira, dei a minha primeira aula como instrutor no curso 10 Years x 10 Classes dos Urban Sketchers em Lisboa. Todas as aulas são focadas na reportagem gráfica e nas histórias desenhadas, e vamos abordar os assuntos em três escalas diferentes. Vamos aprender a contar histórias pequenas, médias e grandes, sobre os sítios onde vivemos.

In my little stories class, we focused on city objects that you don’t really notice they’re there, but can be very important to your safety, comfort or enjoyment – public realm objects. We learned how to harvest an interesting story out of the most mundane and unnoticed objects in our city. After all, is there a better way of becoming a good storyteller than to turn a dull subject into a fascinating report? We also practiced how to properly balance title, text and figure in the same sketch. Finally, we challenged each other as we pitched our story out loud to all of our colleagues.

Na minha aula de histórias pequenas, focámo-nos em objectos da cidade que não notamos que lá estão, mas que podem ser muito importantes paa a nossa segurança, conforto ou prazer – objectos do domínio público. Aprendemos a colher uma história interessante a partir dos mais mundanos objectos na nossa cidade. Afinal, há melhor maneira de nos tornarmos bons contadores de histórias que tornar um assunto aborrecido numa reportagem fascinante? Também praticámos o equilibrio entre texto, título e desenho nas mesmas páginas. Finalmente, desafiámo-nos uns aos outros ao contar, em viva voz, a nossa história aos nossos colegas.

170523-sao-domingos-01
In the first exercise, we sketched a city view, filtering out everything that wasn’t a public realm object. Here, critical reasoning was fundamental, as we could include or exclude objects based on our own opinion. After all, it’s our sketchbook, we cry if we want to. We wrapped it up by attributing a verb to each object.

No primeiro exercício, deenhámos uma vista urbana, filtrando tudo o que não era objecto do domínio público. Aqui, o nosso sentido crítico foi fundamental, porque incluimos ou excluimos objectos baseados nas nossas próprias opiniões. Afinal, o caderno é nosso, fazemos o que queremos nele. Terminámos a atribuir um verbo a cada objecto desenhado.

170523-sao-domingos-02

In the second challenge, we chose one of the objects, sketch it from several viewpoints when necessary, and take plenty of notes about it – facts only, or questions about facts that we’d like cleared. Then, in one minute, we pitched our sketch to everybody.

No segundo desafio, escolhemos um dos objectos, desenhámo-lo de vários pontos de vista, quando necessário, e tomamos apontamentos – apenas factos, ou interrogações sobre factos que gostariamos de ver esclarecidos. No final, tivemos um minuto para mostrar e contar o nosso desenho a todos.

170523-sao-domingos-03

Finally, we approached the story full-on, relating the object to the people around it, or the people that interact with it, or even the people that walk past it and simply ignore it. Sketching a bit of the context, if necessary, we told
the human story of the chosen object. We wrapped it up with a 30-second pitch, because Ginjinha was calling from across the square.

Finalmente, abordámos a história em pleno, relacionando o objecto com as pessoas em seu torno, ou as pessoas que interagiam com ele, ou mesmo as pessoas que ignoravam o objecto e simplesmente passavam por ele. Desenhando um pouco do contexto, se necessário, contámos a perspectiva humana do nosso objecto. Rematámos com uma exposição oral de 30 segundos, porque a Ginjinha chamava do outro lado do largo.

10×10 kickoff in Lisbon

02_usk-10classes-lisbon

Mário Linhares kicked off the Lisbon 10×10 long term programme on the 10th of May, by holding a class in the offices of Diário de Notícias (DN), one of the top daily newspapers in the country. Attendance was sold out, almost all of the instructors were present and there were a few guest stars that were visiting the country at the same time. Omar Jaramillo from Berlin, was staying on behalf of Urban Sketchers Portugal as an instructor and lecturer, as part of the Lisbon capital of Ibero-American culture celebrations programme. Kasia Szybka from Kraków, Eduardo Bajzek from São Paulo and Rob Sketcherman and his wife Louise, from Hong Kong were in town after being invited by the Portuguese tourism office to sketch in the sanctuary of Fátima in the 100 years celebration of the apparitions of the Holy Mother and Pope Francis’ visit.

After a tour of the DN headquarter offices and a brief introduction on how to compose a news report by reporter Marina Almeida, Mário, who’d previously asked everyone to bring a small object that was dear to each participant, challenged the class to sketch their own object and write a small text that would reveal their relationship with that object. Then they got to choose their favorite amongst the other objects to compose straightforward unattached sketch and text, showing a bit of the office context in the process.

170510-laranjeiras

O Mário Linhares arrancou o curso longo 10×10 de Lisboa no 10 de Maio, numa aula nos escritórios do Diário de Notícias (DN), um dos principais diários do país. A participação esgotou, quase todos os instrutores do curso estavam presentes e ainda havia convidados especiais que estavam a visitar o país. O Omar Jaramillo de Berlim, fora convidado pelos Urban Sketchers Portugal, no âmbito das celebrações de Lisboa, capital da cultura Ibero-Americana. A Kasia Szybka de Cracóvia, o Eduardo Bajzek de São Paulo e o Rob Sketcherman e a sua esposa Louise, de Hong Kong, estavam na cidade a convite do Turismo de Portugal, depois da sua visita ao santuário de Fátima durante as celebrações dos 100 anos das aparições de Nossa Senhora e da visita do Papa Francisco.

Depois de uma visita aos escritórios do DN e de uma breve introdução sobre como compor uma notícia, pela jornalista Marina Almeida, o Mário, que tinha pedido a todos para trazerem um pequeno objecto que fosse querido a cada um, desafiou a turma a desenhar o próprio objecto, escrevendo um curto texto que revelasse a relação que tinham com o objecto. Depois, os participantes puderam escolher o seu favorito de entre todos os outros objectos, para que pudessem compor um desenho e um texto desligados do significado do texto, e mostrando um pouco do contexto dos escritórios no processo.