Traç/zo 16 – an Iberian affair #3

161015-elvas-01

The sharp angles of the Forte da Graça create high contrast shadows and defined planes, excellent setting for beginner and intermediate sketchers that want to study shading in their work.

Os ângulos agudos do Forte da Graça criam sombras de alto contraste e planos definidos, um cenário excelente para desenhadores estreantes e intermédios que pretendam estudar sombras no seu trabalho.

161016-elvas

In fact, most of the town of Elvas is such a setting. The buildings are mostly utilitarian – grain mills, star forts and simple Alentejo popular architecture. The fort overlooks on the road that leads to the train station. Tractors still drive through it on their way to the fields. Meanwhile, on the moon of Endor, two scout troopers on speeder bikes patrol the sanctuary forests for rebel commandos.

Com efeito, muitos sítios em Elvas têm tal cenário. Muitos dos edifícios são predominantemente utilitários – moagens e armazenamento de cereais, fortificações em estrela e arquitectura vernácula Alentejana. O forte espreita ao longo da estrada que leva à estação de comboio. Ainda passam tractores nesta estrada, a caminho dos campos. Entretanto, na lua de Endor, dois scout troopers em speeder bikes patrulham as florestas do santuário procurando comandos rebeldes.

161016-olivenza

Later in the day, after Traço ’16 was over, Miguel and I went for a short visit to the only disputed territory between Portugal and Spain: the border town of Olivenza/Olivença. The town, originally under Portuguese rule, came into the hands of the Spanish crown after the Napoleonic Wars. Different interpretations by the two countries of the Congress of Vienna (1814-15) gave rise to a dispute lasting to today. It is the only territorial dispute Portugal has in the CIA Factbook.

The street signs are bilingual, and some of the street names are entirely different. So if you live in Olivenza, you may end up with two different valid addresses.

Ao fim da tarde, quando o Traço ’16 já tinha terminado, o Miguel e eu fizemos uma visita rápida ao único território disputado entre Portugal e Espanha: a cidade fronteiriça de Olivenza/Olivença. A cidade, originalmente em território Português, caiu nas mãos dos Espanhóis depois das Invasões Napoleónicas. Interpretações diferentes dos resultados do Congresso de Vienna (1814-15) deram origem a uma disputa que ainda hoje se mantém. É a única disputa territorial Portuguesa registada no CIA Factbook.

As placas com os nomes de ruas são bilingues, e alguns dos nomes são inteiramente diferentes nas duas línguas. Vivendo em Olivença, podem ter-se duas moradas diferentes válidas.

Traç/zo 16 – an Iberian affair #2

161015-elvas-03

Traço ’16, Elvas drawing festival’s clever logo, designed by João Sequeira, manages to communicate both Portuguese and Spanish writing of the word traço (meaning line stroke, pronounced «trasso»), aiming for an Iberian audience. The four-day festival, that aims to become annual, successfully managed to gather sketchers, artists, illustrators, comic book authors, architects and designers, form both Portugal and Spain, in the picturesque UNESCO World Heritage site Forte da Graça.

O logótipo do Traço ’16, Festival de desenho de Elvas, criado por João Sequeira, consegue comunicar tanto a grafia Portuguesa como a Espanhola da palavra traço, apontando para uma plateia Ibérica. O festival de quatro dias, que ambiciona tornar-se anual, juntou desenhadores, artistas, ilustradores e autores de banda desenhada, arquitectos e designers, de ambos os países, no pitoresco Forte da Graça, património mundial da UNESCO.

161015-elvas-03b

The final talk of the day was a conversation with Borja González, a Spanish illustrator, and Paulo Monteiro, the Portuguese director of the Bedeteca de Beja (Beja comic book library). There was a long discussion about the state of the comic book market in both countries, where Borja spoke of how comics are a very successful industry in Spain right now and Paulo had but dire news about the Portuguese editorial panorama – where many talented authors and many good-willed editors exist, but the market is just too small for critical mass to be achieved (as it already happened in Spain). The solution for the small market challenge might reside in a self-effort from the authors to export their own work.

A palestra final do sábado foi uma conversa entre Borja González, um ilustrador Espanhol, e Paulo Monteiro, director da Bedeteca de Beja. Gerou-se um longo debate sobre o estado do mercado de banda desenhada em ambos os países, no qual Borja conta como a banda desenhada se tornou num sector de sucesso nos últimos anos, todavia o Paulo trazia notícias mais negras sobre o panorama editorial Português – onde existem muitos autores talentosos e editores bem intencionados, mas o mercado é simplesmente demasiado pequeno para se atingir a massa crítica (como já sucedeu em Espanha). A solução para o desafio do mercado pequeno poderá residir num esforço dos próprios autores em exportarem directamente o seu trabalho.

161015-elvas-03a

The Forte da Graça overlooks upon the north face of the fortified town of Elvas. As the sun goes down, the sharp northern slope gets darker and darker.

O Forte da Graça espreita de cima a face norte da cidade fortificada de Elvas. À medida que o sol se põe, a íngreme encosta norte adquire tons mais e mais escuros.

Traç/zo 16 – an Iberian affair #1

161015-elvas-02

The Graça Fort is a unique military architecture structure, built in the second half of the 18th century, under the Count of Lippe, as a means to secure the highest ground in the region, just north of the town. The strategic relevance of the Graça hill, where the fort was built, became evident about a century before, during the Restoration War, when the Spanish army bombarded the town of Elvas from the vantage point, some 60 meters above the town’s castle. Its ramparts, moats and bastions are organized according to the star fort dutch model.

Forte da Graça é uma peça de arquitectura militar única, construida na segunda metade do séc. XVIII, sob as ordens do Conde de Lippe, por necessidade de segurar o ponto mais alto da região, a norte da cidade. A importância estratégica do Monte da Graça, onde foi construido o Forte, tornou-se clara cerca de um século antes, durante a Guerra da Restauração, quando o exército Espanhol, a partir deste ponto sobranceiro, bombardeou a cidade de Elvas, cujo castelo se encontra a cerca de 60 metros abaixo do topo do monte. As suas muralhas, fossos e baluartes estão organizados de acordo com o modelo holandês de fortificação em estrela.

161015-elvas-02a

This was the setting for Traço ’16 – Elvas Drawing Festival, which during four days liven up the old fortress with exhibitions by illustrators and comic book artists from both sides of the Iberian border, drawing workshops, lectures, a theatrical performance and a national Urban Sketchers meeting.

Este foi o cenário do Traço ’16 – Festival de Desenho de Elvas, que durante quatro dias animou a velha fortaleza com exposições de ilustradores e autores de banda desenhada de ambos os lados da fronteira Ibérica, oficinas de desenho, palestras, uma performance teatral e um encontro nacional de Urban Sketchers.

161015-elvas-02b

A morning down the Aliados

160918-aliados-02

Almeida Garrett gazes upon Avenida dos Aliados and, beyond the Palácio das Cardosas, the Cathedral of Porto. The Sunday morning route of the Urban Sketchers meeting took the sketchers down the Aliados from Trindade, through São Bento and the Rua das Flores, straight to the gathering point for our second lunch together in the Jardim do Infante.

Almeida Garrett contempla a Avenida dos Aliados e, para lá do Palácio das Cardosas, a Sé do Porto. O percurso da manhã do domingo do Encontro Nacional de Urban Sketchers levou os desenhadores a descer os Aliados desde a Trindade, por São Bento e pela Rua das Flores, até chegarem ao ponto de encontro para o segundo almoço no Jardim do Infante.

160918-aliados-01

The scorching heat shot over the stolid playwright, enlightened by his muses, holding up the capitols of the City Hall.

O calor tórrido deixava impassível o dramaturgo, iluminado pelas musas que sustém os capitéis do edifício da Câmara Municipal do Porto.

An evening of lectures in Gaia

160918-tiago-cruz-calem

Tiago Cruz is a natural speaker and teacher. After a wine tasting session on the south bank of the Douro, the Urban Sketchers Portugal Norte sketch meeting proceeded inside the Porto wine cellar Calem for a couple of lectures, the first being Tiago’s “O Nós e os Cadernos: o diário em ‘Diário Gráfico“. The thought-provoking themes we were discussing earlier across the bridge, were now tossed to the public realm, stirring a debate on the private and public nature of the graphic journal, on the secret and exhibitionist aspects of our drawings and on the relationship between one’s graphic experiments and explorations and the publishing business.

O Tiago Cruz é um orador e professor em toda a medida. Depois de uma prova de vinhos à beira do Douro, em Gaia, o encontro de desenhadores dos Urban Sketchers Portugal Norte seguiram para dentro das caves Calem para um par de palestras, sendo a primeira “O Nós e os Cadernos: o diário em ‘Diário Gráfico” do Tiago. Os temas que discutiamos poucas horas antes na margem oposta do Douro, eram agora lançados ao público, provocando um debate sobre a natureza privada e pública do diário gráfico, sobre os aspectos secretos e exibicionistas dos nossos desenhos, e a relação entre as nossas próprias experiências gráficas e o negócio da edição.

160918-jp-delgado-calem

Next up, architect João Paulo Delgado told us the history of the city of Porto, a commercial crossroads hailing from the Celtic Iberian Peninsula, all the way through the Roman occupation and the Middle Ages, up until the notorious Ponte das Barcas catastrophe during the French Invasions and to the present. The Latin name of the city is the root of the very name of the country. Portus = port, and Callis = road. A fitting name for a city and a nation of traders.

A seguir, o arquitecto João Paulo Delgado contou-nos a história da cidade do Porto, um cruzamento de rotas comerciais a funcionar desde a Península Ibérica Céltica, passando pela ocupação Romana e a Idade Média, até ao célebre desastre da Ponte das Barcas durante as Invasões Francesas e ao nosso tempo. O nome latino da cidade é a raíz do próprio nome do país. Portus = porto e Callis = estrada. Um nome adequado para uma cidade e uma nação de comerciantes.